Agenda de Eventos
Mai
15
Qua
CriArte Espinho 2019
Mai 15 todo o dia
CriArte Espinho 2019

CriArte Espinho 2019

local: Fórum de Arte e Cultura de Espinho

4 a 20 Maio

EXPOSIÇÃO – Trabalhos dos alunos de Artes das Escolas Sec. Dr. Manuel Laranjeira e Dr. Manuel Gomes de Almeida.

inauguração: 4 maio às 17h

 

WORKSHOPS

“A casa, o lar, a prisão, a catarse: Exploração escultórica a partir de objetos da esfera doméstica.” – por Inês silva

8 Maio – 10h-12h / 14h-16h (ESML – ESMGA)

 

“Mosaico” – por Nathalie João

15 Maio – 10h-12h / 14h-16h (ESML – ESMGA)

 

“O Novo Cinema Português” – por Fernando Vasquez

20 Maio – 10h-12h / 14h-16h (ESML – ESMGA)

 

 

Mai
17
Sex
“Pensar a Escrita” com Joaquim Correia Bernardo
Mai 17 @ 21:30 – 23:00
"Pensar a Escrita" com Joaquim Correia Bernardo
17 Maio / 21h30
“Pensar a Escrita” com Joaquim Correia Bernardo
Local: Biblioteca Municipal José Marmelo e Silva
Joaquim Manuel Correia Bernardo, depois de terminar seus estudos secundários no Liceu de Santarém, ingressou na Academia Militar, onde concluiu a licenciatura em Ciências Militares.
Colocado como Oficial na Escola Prática de Cavalaria, desempenhou funções ligadas à formação dos Cursos de Oficiais e Sargentos Milicianos, bem como à dos futuros Oficiais e Sargentos do Quadro Permanente da Arma de Cavalaria.
Como Coronel foi Chefe do Distrito de Recrutamento e Mobilização de Santarém e, mais tarde, subdiretor da Direção de Recrutamento, em Lisboa.
Em 1968, com o posto de Capitão, é mobilizado para o Ultramar com destino ao teatro de operações da Guiné onde é ferido gravemente em combate, sendo evacuado para o Hospital Militar de Lisboa e posteriormente para a Alemanha onde fez a sua reabilitação.
A publicação do decreto-lei n°355/73, de 13 de julho, vem encontrá-lo na chefia do Gabinete de Estudos da EPC-Escola Prática de Cavalaria e é no exercício dessas funções que acompanha o desenrolar dos acontecimentos que culminam no “25 de abril de 1974”, organizando e coordenando toda a ação da EPC, no seio do Movimento dos Capitães.
Depois da sua passagem à situação de reforma foi, durante quinze anos, membro da Mesa Administrativa da Santa Casa da Misericórdia de Santarém, ocupando-se das áreas da juventude e do património cultural.
Mai
18
Sáb
Pensar nas Freguesias arranca em Silvalde
Mai 18 @ 15:00 – 17:00
Pensar nas Freguesias arranca em Silvalde

18 MAI/ 15H00
CONVERSA
Pensar nas Freguesias
local Associação Leões Bairristas/ Bairro Piscatório

Em parceria com as Juntas de Freguesia do concelho, o jornal Maré Viva e a Cooperativa Nascente organizam o ciclo de conferências “Pensar nas Freguesias”.
A primeira edição terá lugar no dia 18 de maio, a partir das 14h30, na sede dos Leões Bairristas no Bairro Piscatório em Silvalde.
Subordinada ao tema “A cultura, a educação e o acesso ao mercado de trabalho como fatores de inclusão social” terá como convidado especial João Teixeira Lopes, sociólogo e professor catedrático da Faculdade de Letras da Universidade do Porto. A discussão será depois alargada ao painel de convidados constituído por Sandra Poupinha, diretora da Associação de Desenvolvimento do Concelho de Espinho (ADCE), Ilídio Alves, Diretor do Agrupamento de Escolas Manuel Gomes de Almeida e José Teixeira, presidente da Junta de Freguesia de Silvalde. A moderação do evento estará a cargo de Rosa Couto, diretora geral da CerciEspinho.
O rapper NTS e o artista gráfico NEK prometem abrilhantar o evento com música e pintura ao vivo.
A entrada é grátis.

Mai
20
Seg
CriArte Espinho 2019
Mai 20 todo o dia
CriArte Espinho 2019

CriArte Espinho 2019

local: Fórum de Arte e Cultura de Espinho

4 a 20 Maio

EXPOSIÇÃO – Trabalhos dos alunos de Artes das Escolas Sec. Dr. Manuel Laranjeira e Dr. Manuel Gomes de Almeida.

inauguração: 4 maio às 17h

 

WORKSHOPS

“A casa, o lar, a prisão, a catarse: Exploração escultórica a partir de objetos da esfera doméstica.” – por Inês silva

8 Maio – 10h-12h / 14h-16h (ESML – ESMGA)

 

“Mosaico” – por Nathalie João

15 Maio – 10h-12h / 14h-16h (ESML – ESMGA)

 

“O Novo Cinema Português” – por Fernando Vasquez

20 Maio – 10h-12h / 14h-16h (ESML – ESMGA)

 

 

Mai
25
Sáb
Apresentação do livro “Dever de Memória”
Mai 25 @ 15:00 – 16:00

25 MAI/ 15H00
Apresentação do livro
“Dever de Memória” de Adriano Miranda

“Dever de Memória – da infâmia à esperança”, uma exposição e um livro de encomenda da Câmara Municipal de Viseu sobre o espaço ardido nesta região nos incêndios de 2017. Os fotógrafos Adriano Miranda e Nuno André Ferreira percorreram o território durante 6 meses à procura da resiliência, das feridas na paisagem e da esperança que nunca se perdeu.”
Entrada livre.
Biblioteca Municipal José Marmelo e Silva

“Os olhos dos gatos são cristais de quartzo”
Mai 25 @ 17:00 – 18:00

25 MAI/ 17H00
LIVRO
“Os olhos dos gatos são cristais de quartzo”
Rosa Oliveira, poeta e professora, celebra 30 anos de poesia com o livro “Os olhos dos gatos são cristais de quartzo”
Sede da Nascente

Mai
30
Qui
À Conversa com… José Milhazes
Mai 30 @ 11:00 – 13:00

No dia 30 de maio de 2019, realizar-se-á, pelas 11h e 12h15m, no auditório da Escola Secundária Dr. Manuel Gomes de Almeida, a iniciativa “À Conversa com… ”, dinamizada pela Biblioteca Escolar, em articulação com o grupo de História. Desta feita o convidado é o jornalista, escritor, historiador e tradutor José Milhazes.

José Milhazes nasceu na Póvoa de Varzim em 1958. Tradutor de autores clássicos e políticos russos, tornou-se conhecido enquanto correspondente em Moscovo da SIC, TSF e do jornal Público. Doutorado pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto, é autor de diversos livros. Com apenas 17 anos de idade, decidiu ir estudar história para a União Soviética. Viveu em Moscovo entre 1977 e 2015. É atualmente comentador político da SIC e da Antena 1e colunista do jornal Observador.
Entrada livre.

Jun
1
Sáb
Fórum Sem Espinhas
Jun 1 @ 09:00 – 17:00
Fórum Sem Espinhas
Um dia para refletir, experienciar e provar o futuro do nosso Mar!
Decorrerá no dia 1 junho (sábado), um Fórum que pretende abrir um momento de reflexão e discussão sobre as temáticas do Mar.
O dia será marcado por momentos de partilha e convívio, reflexões, debates e ainda experiências gastronómicas de deixar água na boca!
09h00 » Pequeno-almoço na Praia
Praia do Bairro Piscatório
O dia começa com a chegada das «companhas» e o puxar das redes na praia. Para acompanhar, o pequeno-almoço típico dos pescadores, servido pelas varinas de Espinho.
10h00-13h30 » Palestras/Debate
Auditório Museu FACE
Momento de reflexão sobre economia, sustentabilidade e futuro do nosso Mar. A discussão traz ao palco vozes proeminentes de entidades como a Doca Pesca, ANCIP, Fórum Oceano e ainda a Chef Patrícia Borges e um convidado internacional na área do turismo gastronómico.
14h30-18h30 » Showcookings | Mercado de Produtores | Street Food
Antiga Lota de Espinho
Espaço de experimentação e degustação das iguarias cozinhadas pelas chefs Justa Nobre, uma referência da cozinha portuguesa, e Patrícia Borges, especialista em pescado nacional, pelo chef António Loureiro, galardoado com uma estrela Michelin, e pelos chefs embaixadores da Brasmar e da Doca Pesca. Aqui instala-se o Mercado, onde estarão à disposição os melhores produtos locais, da Terra e do Mar!
Jun
8
Sáb
Entrega de prémios literários do concurso “Prof. Mário Clímaco, Crónica e Poesia”
Jun 8 @ 15:00 – 16:00

Entrega de prémios Literários da Academia de Letras, Ciências e Artes da Alepon – Ponto Nova – Minas Gerais, Brasil.

Concurso “Professor Mário Clímaco, Crónica e Poesia”

Local: Junta de Freguesia de Espinho

8 Junho 2019 – 15horas

Jun
21
Sex
45º Festival Internacional de Música de Espinho-FIME
Jun 21 todo o dia
45º Festival Internacional de Música de Espinho-FIME
45º Festival Internacional de Música de Espinho-FIME, arranca a 21 de junho, apresentando este ano artistas como o violinista David Grimal, o violoncelista Alexander Rudin, os pianistas Alexander Melnikov e Andreas Staier, e o Kronos Quartet.
Até 20 de julho, a Academia de Música de Espinho propõe assim para aquele que é um dos mais antigos festivais de música erudita do país um cartaz que, além de uma exposição com obras do pintor Mário Bismarck e uma oficina de voz jazz por Andreas Schaerer, integra um total de 16 concertos – entre os quais o que a 19 de julho celebrará o 50º aniversário da chegada do Homem à lua com um espetáculo por alunos da Escola Profissional de Música de Espinho sob a cúpula do planetário local.
Apostando num conjunto de “grandes intérpretes e criteriosas propostas programáticas”, a direção do FIME disponibiliza oito desses concertos a preços entre os quatro e oito euros, e os restantes terão entrada livre, como acontece com o que a 13 de julho levará ao exterior da Piscina Solário Atlântico o cantor e compositor brasileiro Marcos Valle e o que a 20 de julho apresentará na praça da Câmara Municipal o guitarrista Yamandú Costa, também do Brasil, com a Orquestra Clássica de Espinho.
O palco mais assíduo do FIME de 2019 será, no entanto, o Auditório da Academia, que, no arranque do festival, começa por receber o francês David Grimal. O programa desse concerto vai incidir sobre Brahms e Sarasate, com o violinista a conciliar o papel de solista com o de maestro, ao conduzir a Orquestra Clássica de Espinho por diferentes obras do Romantismo tardio.
22 de junho a mesma sala recebe os russos Alexander Rudin (violoncelo) e Alexander Melnikov (piano), para um espetáculo que também se inspira no período romântico e que apresentará obras de Rachmaninov, Chopin e Golowin. O concerto será precedido por uma palestra pelo musicólogo João Silva, que dará a conhecer a ligação entre Rachmaninov e Chopin.
Ainda em junho haverá quatro outras performances: no dia 27 a do Lisboa String Trio no jardim interior da Biblioteca Municipal José Marmelo e Silva, no dia 28 a da jovem violinista norte-americana Elicia Silverstein na Capela de Nossa Senhora da Ajuda, no dia 29 a do coletivo inglês ‘a capella’ The Gesualdo Six na Igreja Matriz de Espinho. No dia 30 a dos percussionistas portugueses Crassh no Auditório da Academia.
Os primeiros três desses concertos têm entrada livre, sendo que, devido à lotação dos espaços em causa, a direção do FIME recomenda levantamento prévio dos respetivos bilhetes.
programação de julho prossegue com o quarteto de cordas polaco MozART Group, que no dia 5 regressa ao Auditório de Espinho com uma prestação em torno da “malícia das cantigas medievais e dos vilancicos renascentistas”, e continua no dia 6 com um recital de pianoforte pelo alemão Andreas Staier, que para o efeito escolheu um repertório com fantasias, variações e sonatas de Mozart, Haydn e Bach.
No dia 8 estarão em destaque os músicos norte-americanos do Kronos Quartet, reconhecido pela forma como interpretam com instrumentos de cordas a obra de autores contemporâneos como Laurie Anderson, Philip Glass, John Coltrane e Steve Reich.
12 de julho o palco caberá ao já referido cantor suíço Andreas Schaerer, que se juntará ao acordeonista italiano Luciano Biondini e ao baterista camaronense Lucas Niggle para explorar “jazz fresco e inventivo”, e a 19 do mesmo mês, a cortina irá abrir-se para o Pérez, Potter,Cohen Quintet, que, reunindo músicos dos Estados Unidos, Panamá e Israel, empregará piano, saxofone-tenor, trompete e contrabaixo para materializar “composições originais inspiradas em mulheres escritoras”.
O cartaz do FIME de 2019 propõe ainda dois “concertos breves” por organistas, ambos na Igreja Matriz de Espinho: a 6 de julho o do inglês Jonathan Ayerst, que irá recorrer a improvisação e as obras do barroco alemão escritas por Bach e Buxtehude, e a 13 de julho o do português António Esteireiro, que selecionou para o efeito obras dos séculos XVII, XIX e XX assinadas por Nicolas de Grigny, César Franck e Marcel Dupré.
Jun
22
Sáb
45º Festival Internacional de Música de Espinho-FIME
Jun 22 todo o dia
45º Festival Internacional de Música de Espinho-FIME
45º Festival Internacional de Música de Espinho-FIME, arranca a 21 de junho, apresentando este ano artistas como o violinista David Grimal, o violoncelista Alexander Rudin, os pianistas Alexander Melnikov e Andreas Staier, e o Kronos Quartet.
Até 20 de julho, a Academia de Música de Espinho propõe assim para aquele que é um dos mais antigos festivais de música erudita do país um cartaz que, além de uma exposição com obras do pintor Mário Bismarck e uma oficina de voz jazz por Andreas Schaerer, integra um total de 16 concertos – entre os quais o que a 19 de julho celebrará o 50º aniversário da chegada do Homem à lua com um espetáculo por alunos da Escola Profissional de Música de Espinho sob a cúpula do planetário local.
Apostando num conjunto de “grandes intérpretes e criteriosas propostas programáticas”, a direção do FIME disponibiliza oito desses concertos a preços entre os quatro e oito euros, e os restantes terão entrada livre, como acontece com o que a 13 de julho levará ao exterior da Piscina Solário Atlântico o cantor e compositor brasileiro Marcos Valle e o que a 20 de julho apresentará na praça da Câmara Municipal o guitarrista Yamandú Costa, também do Brasil, com a Orquestra Clássica de Espinho.
O palco mais assíduo do FIME de 2019 será, no entanto, o Auditório da Academia, que, no arranque do festival, começa por receber o francês David Grimal. O programa desse concerto vai incidir sobre Brahms e Sarasate, com o violinista a conciliar o papel de solista com o de maestro, ao conduzir a Orquestra Clássica de Espinho por diferentes obras do Romantismo tardio.
22 de junho a mesma sala recebe os russos Alexander Rudin (violoncelo) e Alexander Melnikov (piano), para um espetáculo que também se inspira no período romântico e que apresentará obras de Rachmaninov, Chopin e Golowin. O concerto será precedido por uma palestra pelo musicólogo João Silva, que dará a conhecer a ligação entre Rachmaninov e Chopin.
Ainda em junho haverá quatro outras performances: no dia 27 a do Lisboa String Trio no jardim interior da Biblioteca Municipal José Marmelo e Silva, no dia 28 a da jovem violinista norte-americana Elicia Silverstein na Capela de Nossa Senhora da Ajuda, no dia 29 a do coletivo inglês ‘a capella’ The Gesualdo Six na Igreja Matriz de Espinho. No dia 30 a dos percussionistas portugueses Crassh no Auditório da Academia.
Os primeiros três desses concertos têm entrada livre, sendo que, devido à lotação dos espaços em causa, a direção do FIME recomenda levantamento prévio dos respetivos bilhetes.
programação de julho prossegue com o quarteto de cordas polaco MozART Group, que no dia 5 regressa ao Auditório de Espinho com uma prestação em torno da “malícia das cantigas medievais e dos vilancicos renascentistas”, e continua no dia 6 com um recital de pianoforte pelo alemão Andreas Staier, que para o efeito escolheu um repertório com fantasias, variações e sonatas de Mozart, Haydn e Bach.
No dia 8 estarão em destaque os músicos norte-americanos do Kronos Quartet, reconhecido pela forma como interpretam com instrumentos de cordas a obra de autores contemporâneos como Laurie Anderson, Philip Glass, John Coltrane e Steve Reich.
12 de julho o palco caberá ao já referido cantor suíço Andreas Schaerer, que se juntará ao acordeonista italiano Luciano Biondini e ao baterista camaronense Lucas Niggle para explorar “jazz fresco e inventivo”, e a 19 do mesmo mês, a cortina irá abrir-se para o Pérez, Potter,Cohen Quintet, que, reunindo músicos dos Estados Unidos, Panamá e Israel, empregará piano, saxofone-tenor, trompete e contrabaixo para materializar “composições originais inspiradas em mulheres escritoras”.
O cartaz do FIME de 2019 propõe ainda dois “concertos breves” por organistas, ambos na Igreja Matriz de Espinho: a 6 de julho o do inglês Jonathan Ayerst, que irá recorrer a improvisação e as obras do barroco alemão escritas por Bach e Buxtehude, e a 13 de julho o do português António Esteireiro, que selecionou para o efeito obras dos séculos XVII, XIX e XX assinadas por Nicolas de Grigny, César Franck e Marcel Dupré.
Jun
27
Qui
45º Festival Internacional de Música de Espinho-FIME
Jun 27 todo o dia
45º Festival Internacional de Música de Espinho-FIME
45º Festival Internacional de Música de Espinho-FIME, arranca a 21 de junho, apresentando este ano artistas como o violinista David Grimal, o violoncelista Alexander Rudin, os pianistas Alexander Melnikov e Andreas Staier, e o Kronos Quartet.
Até 20 de julho, a Academia de Música de Espinho propõe assim para aquele que é um dos mais antigos festivais de música erudita do país um cartaz que, além de uma exposição com obras do pintor Mário Bismarck e uma oficina de voz jazz por Andreas Schaerer, integra um total de 16 concertos – entre os quais o que a 19 de julho celebrará o 50º aniversário da chegada do Homem à lua com um espetáculo por alunos da Escola Profissional de Música de Espinho sob a cúpula do planetário local.
Apostando num conjunto de “grandes intérpretes e criteriosas propostas programáticas”, a direção do FIME disponibiliza oito desses concertos a preços entre os quatro e oito euros, e os restantes terão entrada livre, como acontece com o que a 13 de julho levará ao exterior da Piscina Solário Atlântico o cantor e compositor brasileiro Marcos Valle e o que a 20 de julho apresentará na praça da Câmara Municipal o guitarrista Yamandú Costa, também do Brasil, com a Orquestra Clássica de Espinho.
O palco mais assíduo do FIME de 2019 será, no entanto, o Auditório da Academia, que, no arranque do festival, começa por receber o francês David Grimal. O programa desse concerto vai incidir sobre Brahms e Sarasate, com o violinista a conciliar o papel de solista com o de maestro, ao conduzir a Orquestra Clássica de Espinho por diferentes obras do Romantismo tardio.
22 de junho a mesma sala recebe os russos Alexander Rudin (violoncelo) e Alexander Melnikov (piano), para um espetáculo que também se inspira no período romântico e que apresentará obras de Rachmaninov, Chopin e Golowin. O concerto será precedido por uma palestra pelo musicólogo João Silva, que dará a conhecer a ligação entre Rachmaninov e Chopin.
Ainda em junho haverá quatro outras performances: no dia 27 a do Lisboa String Trio no jardim interior da Biblioteca Municipal José Marmelo e Silva, no dia 28 a da jovem violinista norte-americana Elicia Silverstein na Capela de Nossa Senhora da Ajuda, no dia 29 a do coletivo inglês ‘a capella’ The Gesualdo Six na Igreja Matriz de Espinho. No dia 30 a dos percussionistas portugueses Crassh no Auditório da Academia.
Os primeiros três desses concertos têm entrada livre, sendo que, devido à lotação dos espaços em causa, a direção do FIME recomenda levantamento prévio dos respetivos bilhetes.
programação de julho prossegue com o quarteto de cordas polaco MozART Group, que no dia 5 regressa ao Auditório de Espinho com uma prestação em torno da “malícia das cantigas medievais e dos vilancicos renascentistas”, e continua no dia 6 com um recital de pianoforte pelo alemão Andreas Staier, que para o efeito escolheu um repertório com fantasias, variações e sonatas de Mozart, Haydn e Bach.
No dia 8 estarão em destaque os músicos norte-americanos do Kronos Quartet, reconhecido pela forma como interpretam com instrumentos de cordas a obra de autores contemporâneos como Laurie Anderson, Philip Glass, John Coltrane e Steve Reich.
12 de julho o palco caberá ao já referido cantor suíço Andreas Schaerer, que se juntará ao acordeonista italiano Luciano Biondini e ao baterista camaronense Lucas Niggle para explorar “jazz fresco e inventivo”, e a 19 do mesmo mês, a cortina irá abrir-se para o Pérez, Potter,Cohen Quintet, que, reunindo músicos dos Estados Unidos, Panamá e Israel, empregará piano, saxofone-tenor, trompete e contrabaixo para materializar “composições originais inspiradas em mulheres escritoras”.
O cartaz do FIME de 2019 propõe ainda dois “concertos breves” por organistas, ambos na Igreja Matriz de Espinho: a 6 de julho o do inglês Jonathan Ayerst, que irá recorrer a improvisação e as obras do barroco alemão escritas por Bach e Buxtehude, e a 13 de julho o do português António Esteireiro, que selecionou para o efeito obras dos séculos XVII, XIX e XX assinadas por Nicolas de Grigny, César Franck e Marcel Dupré.
Jun
28
Sex
45º Festival Internacional de Música de Espinho-FIME
Jun 28 todo o dia
45º Festival Internacional de Música de Espinho-FIME
45º Festival Internacional de Música de Espinho-FIME, arranca a 21 de junho, apresentando este ano artistas como o violinista David Grimal, o violoncelista Alexander Rudin, os pianistas Alexander Melnikov e Andreas Staier, e o Kronos Quartet.
Até 20 de julho, a Academia de Música de Espinho propõe assim para aquele que é um dos mais antigos festivais de música erudita do país um cartaz que, além de uma exposição com obras do pintor Mário Bismarck e uma oficina de voz jazz por Andreas Schaerer, integra um total de 16 concertos – entre os quais o que a 19 de julho celebrará o 50º aniversário da chegada do Homem à lua com um espetáculo por alunos da Escola Profissional de Música de Espinho sob a cúpula do planetário local.
Apostando num conjunto de “grandes intérpretes e criteriosas propostas programáticas”, a direção do FIME disponibiliza oito desses concertos a preços entre os quatro e oito euros, e os restantes terão entrada livre, como acontece com o que a 13 de julho levará ao exterior da Piscina Solário Atlântico o cantor e compositor brasileiro Marcos Valle e o que a 20 de julho apresentará na praça da Câmara Municipal o guitarrista Yamandú Costa, também do Brasil, com a Orquestra Clássica de Espinho.
O palco mais assíduo do FIME de 2019 será, no entanto, o Auditório da Academia, que, no arranque do festival, começa por receber o francês David Grimal. O programa desse concerto vai incidir sobre Brahms e Sarasate, com o violinista a conciliar o papel de solista com o de maestro, ao conduzir a Orquestra Clássica de Espinho por diferentes obras do Romantismo tardio.
22 de junho a mesma sala recebe os russos Alexander Rudin (violoncelo) e Alexander Melnikov (piano), para um espetáculo que também se inspira no período romântico e que apresentará obras de Rachmaninov, Chopin e Golowin. O concerto será precedido por uma palestra pelo musicólogo João Silva, que dará a conhecer a ligação entre Rachmaninov e Chopin.
Ainda em junho haverá quatro outras performances: no dia 27 a do Lisboa String Trio no jardim interior da Biblioteca Municipal José Marmelo e Silva, no dia 28 a da jovem violinista norte-americana Elicia Silverstein na Capela de Nossa Senhora da Ajuda, no dia 29 a do coletivo inglês ‘a capella’ The Gesualdo Six na Igreja Matriz de Espinho. No dia 30 a dos percussionistas portugueses Crassh no Auditório da Academia.
Os primeiros três desses concertos têm entrada livre, sendo que, devido à lotação dos espaços em causa, a direção do FIME recomenda levantamento prévio dos respetivos bilhetes.
programação de julho prossegue com o quarteto de cordas polaco MozART Group, que no dia 5 regressa ao Auditório de Espinho com uma prestação em torno da “malícia das cantigas medievais e dos vilancicos renascentistas”, e continua no dia 6 com um recital de pianoforte pelo alemão Andreas Staier, que para o efeito escolheu um repertório com fantasias, variações e sonatas de Mozart, Haydn e Bach.
No dia 8 estarão em destaque os músicos norte-americanos do Kronos Quartet, reconhecido pela forma como interpretam com instrumentos de cordas a obra de autores contemporâneos como Laurie Anderson, Philip Glass, John Coltrane e Steve Reich.
12 de julho o palco caberá ao já referido cantor suíço Andreas Schaerer, que se juntará ao acordeonista italiano Luciano Biondini e ao baterista camaronense Lucas Niggle para explorar “jazz fresco e inventivo”, e a 19 do mesmo mês, a cortina irá abrir-se para o Pérez, Potter,Cohen Quintet, que, reunindo músicos dos Estados Unidos, Panamá e Israel, empregará piano, saxofone-tenor, trompete e contrabaixo para materializar “composições originais inspiradas em mulheres escritoras”.
O cartaz do FIME de 2019 propõe ainda dois “concertos breves” por organistas, ambos na Igreja Matriz de Espinho: a 6 de julho o do inglês Jonathan Ayerst, que irá recorrer a improvisação e as obras do barroco alemão escritas por Bach e Buxtehude, e a 13 de julho o do português António Esteireiro, que selecionou para o efeito obras dos séculos XVII, XIX e XX assinadas por Nicolas de Grigny, César Franck e Marcel Dupré.
Jun
29
Sáb
45º Festival Internacional de Música de Espinho-FIME
Jun 29 todo o dia
45º Festival Internacional de Música de Espinho-FIME
45º Festival Internacional de Música de Espinho-FIME, arranca a 21 de junho, apresentando este ano artistas como o violinista David Grimal, o violoncelista Alexander Rudin, os pianistas Alexander Melnikov e Andreas Staier, e o Kronos Quartet.
Até 20 de julho, a Academia de Música de Espinho propõe assim para aquele que é um dos mais antigos festivais de música erudita do país um cartaz que, além de uma exposição com obras do pintor Mário Bismarck e uma oficina de voz jazz por Andreas Schaerer, integra um total de 16 concertos – entre os quais o que a 19 de julho celebrará o 50º aniversário da chegada do Homem à lua com um espetáculo por alunos da Escola Profissional de Música de Espinho sob a cúpula do planetário local.
Apostando num conjunto de “grandes intérpretes e criteriosas propostas programáticas”, a direção do FIME disponibiliza oito desses concertos a preços entre os quatro e oito euros, e os restantes terão entrada livre, como acontece com o que a 13 de julho levará ao exterior da Piscina Solário Atlântico o cantor e compositor brasileiro Marcos Valle e o que a 20 de julho apresentará na praça da Câmara Municipal o guitarrista Yamandú Costa, também do Brasil, com a Orquestra Clássica de Espinho.
O palco mais assíduo do FIME de 2019 será, no entanto, o Auditório da Academia, que, no arranque do festival, começa por receber o francês David Grimal. O programa desse concerto vai incidir sobre Brahms e Sarasate, com o violinista a conciliar o papel de solista com o de maestro, ao conduzir a Orquestra Clássica de Espinho por diferentes obras do Romantismo tardio.
22 de junho a mesma sala recebe os russos Alexander Rudin (violoncelo) e Alexander Melnikov (piano), para um espetáculo que também se inspira no período romântico e que apresentará obras de Rachmaninov, Chopin e Golowin. O concerto será precedido por uma palestra pelo musicólogo João Silva, que dará a conhecer a ligação entre Rachmaninov e Chopin.
Ainda em junho haverá quatro outras performances: no dia 27 a do Lisboa String Trio no jardim interior da Biblioteca Municipal José Marmelo e Silva, no dia 28 a da jovem violinista norte-americana Elicia Silverstein na Capela de Nossa Senhora da Ajuda, no dia 29 a do coletivo inglês ‘a capella’ The Gesualdo Six na Igreja Matriz de Espinho. No dia 30 a dos percussionistas portugueses Crassh no Auditório da Academia.
Os primeiros três desses concertos têm entrada livre, sendo que, devido à lotação dos espaços em causa, a direção do FIME recomenda levantamento prévio dos respetivos bilhetes.
programação de julho prossegue com o quarteto de cordas polaco MozART Group, que no dia 5 regressa ao Auditório de Espinho com uma prestação em torno da “malícia das cantigas medievais e dos vilancicos renascentistas”, e continua no dia 6 com um recital de pianoforte pelo alemão Andreas Staier, que para o efeito escolheu um repertório com fantasias, variações e sonatas de Mozart, Haydn e Bach.
No dia 8 estarão em destaque os músicos norte-americanos do Kronos Quartet, reconhecido pela forma como interpretam com instrumentos de cordas a obra de autores contemporâneos como Laurie Anderson, Philip Glass, John Coltrane e Steve Reich.
12 de julho o palco caberá ao já referido cantor suíço Andreas Schaerer, que se juntará ao acordeonista italiano Luciano Biondini e ao baterista camaronense Lucas Niggle para explorar “jazz fresco e inventivo”, e a 19 do mesmo mês, a cortina irá abrir-se para o Pérez, Potter,Cohen Quintet, que, reunindo músicos dos Estados Unidos, Panamá e Israel, empregará piano, saxofone-tenor, trompete e contrabaixo para materializar “composições originais inspiradas em mulheres escritoras”.
O cartaz do FIME de 2019 propõe ainda dois “concertos breves” por organistas, ambos na Igreja Matriz de Espinho: a 6 de julho o do inglês Jonathan Ayerst, que irá recorrer a improvisação e as obras do barroco alemão escritas por Bach e Buxtehude, e a 13 de julho o do português António Esteireiro, que selecionou para o efeito obras dos séculos XVII, XIX e XX assinadas por Nicolas de Grigny, César Franck e Marcel Dupré.
Castro de Ovil e “Espaço Verdes e Vivos”
Jun 29 todo o dia
Castro de Ovil e “Espaço Verdes e Vivos”
Castro de Ovil e “Espaço Verdes e Vivos”
Visita de campo e sessão de apresentação de livro
No dia 29 de junho a Campo Aberto Associação de Defesa do Ambiente e a Câmara Municipal de Espinho vão levar a cabo um dia, manhã e tarde, dedicado à promoção do Castro de Ovil e do livro “Espaços Verdes e Vivos – Um Futuro para a Área Metropolitana do Porto”, edição da Campo Aberto. Participar numa das atividades não implica ter de participar na outra, mas ambas são completares.
Um dia que começa pela manhã em plena natureza para conhecer no local, pela voz autorizada do arqueólogo Jorge Salvador, um sítio arqueológico de Espinho e, da parte da tarde, participar no lançamento de um livro sobre espaço verdes da Área Metropolitana do Porto.
9h15 – Visita ao Castro de Ovil orientada pelo Dr. Jorge Salvador, Arqueólogo.
(agrupamento dos participantes junto às bilheteiras da Estação da CP, em Espinho)
Inscrição para: : atividadesca@gmail.com  Indicar o nome completo e a data de nascimento (dia-mês-ano) para efeitos de seguro coletivo contratado pela associação, e o email e o telefone de contacto para cada pessoa a inscrever.
Deslocações: serão feitas no sistema de boleias partilhadas. Indicar, por isso, ao inscrever-se se dispõe de vagas em carro próprio ou se precisa de vaga em boleia. A visita será orientada pelo Dr. Jorge Salvador, Arqueólogo.
15h00 – Apresentação, seguida de debate, do livro “Espaços Verdes e Vivos – um futuro para a Área Metropolitana do Porto”, editado pela Campo Aberto.
Local: Auditório do Museu Municipal de Espinho

Cooperativa Nascente, sempre atenta às iniciativas de caráter cultural e ambiental que se fazem em Espinho,  colabora com aquelas entidades, na divulgação de ambos os eventos.