Agenda de Eventos
Jun
30
Dom
45º Festival Internacional de Música de Espinho-FIME
Jun 30 todo o dia
45º Festival Internacional de Música de Espinho-FIME
45º Festival Internacional de Música de Espinho-FIME, arranca a 21 de junho, apresentando este ano artistas como o violinista David Grimal, o violoncelista Alexander Rudin, os pianistas Alexander Melnikov e Andreas Staier, e o Kronos Quartet.
Até 20 de julho, a Academia de Música de Espinho propõe assim para aquele que é um dos mais antigos festivais de música erudita do país um cartaz que, além de uma exposição com obras do pintor Mário Bismarck e uma oficina de voz jazz por Andreas Schaerer, integra um total de 16 concertos – entre os quais o que a 19 de julho celebrará o 50º aniversário da chegada do Homem à lua com um espetáculo por alunos da Escola Profissional de Música de Espinho sob a cúpula do planetário local.
Apostando num conjunto de “grandes intérpretes e criteriosas propostas programáticas”, a direção do FIME disponibiliza oito desses concertos a preços entre os quatro e oito euros, e os restantes terão entrada livre, como acontece com o que a 13 de julho levará ao exterior da Piscina Solário Atlântico o cantor e compositor brasileiro Marcos Valle e o que a 20 de julho apresentará na praça da Câmara Municipal o guitarrista Yamandú Costa, também do Brasil, com a Orquestra Clássica de Espinho.
O palco mais assíduo do FIME de 2019 será, no entanto, o Auditório da Academia, que, no arranque do festival, começa por receber o francês David Grimal. O programa desse concerto vai incidir sobre Brahms e Sarasate, com o violinista a conciliar o papel de solista com o de maestro, ao conduzir a Orquestra Clássica de Espinho por diferentes obras do Romantismo tardio.
22 de junho a mesma sala recebe os russos Alexander Rudin (violoncelo) e Alexander Melnikov (piano), para um espetáculo que também se inspira no período romântico e que apresentará obras de Rachmaninov, Chopin e Golowin. O concerto será precedido por uma palestra pelo musicólogo João Silva, que dará a conhecer a ligação entre Rachmaninov e Chopin.
Ainda em junho haverá quatro outras performances: no dia 27 a do Lisboa String Trio no jardim interior da Biblioteca Municipal José Marmelo e Silva, no dia 28 a da jovem violinista norte-americana Elicia Silverstein na Capela de Nossa Senhora da Ajuda, no dia 29 a do coletivo inglês ‘a capella’ The Gesualdo Six na Igreja Matriz de Espinho. No dia 30 a dos percussionistas portugueses Crassh no Auditório da Academia.
Os primeiros três desses concertos têm entrada livre, sendo que, devido à lotação dos espaços em causa, a direção do FIME recomenda levantamento prévio dos respetivos bilhetes.
programação de julho prossegue com o quarteto de cordas polaco MozART Group, que no dia 5 regressa ao Auditório de Espinho com uma prestação em torno da “malícia das cantigas medievais e dos vilancicos renascentistas”, e continua no dia 6 com um recital de pianoforte pelo alemão Andreas Staier, que para o efeito escolheu um repertório com fantasias, variações e sonatas de Mozart, Haydn e Bach.
No dia 8 estarão em destaque os músicos norte-americanos do Kronos Quartet, reconhecido pela forma como interpretam com instrumentos de cordas a obra de autores contemporâneos como Laurie Anderson, Philip Glass, John Coltrane e Steve Reich.
12 de julho o palco caberá ao já referido cantor suíço Andreas Schaerer, que se juntará ao acordeonista italiano Luciano Biondini e ao baterista camaronense Lucas Niggle para explorar “jazz fresco e inventivo”, e a 19 do mesmo mês, a cortina irá abrir-se para o Pérez, Potter,Cohen Quintet, que, reunindo músicos dos Estados Unidos, Panamá e Israel, empregará piano, saxofone-tenor, trompete e contrabaixo para materializar “composições originais inspiradas em mulheres escritoras”.
O cartaz do FIME de 2019 propõe ainda dois “concertos breves” por organistas, ambos na Igreja Matriz de Espinho: a 6 de julho o do inglês Jonathan Ayerst, que irá recorrer a improvisação e as obras do barroco alemão escritas por Bach e Buxtehude, e a 13 de julho o do português António Esteireiro, que selecionou para o efeito obras dos séculos XVII, XIX e XX assinadas por Nicolas de Grigny, César Franck e Marcel Dupré.
Festival Consonâncias 2019
Jun 30 todo o dia
Festival Consonâncias 2019

Festival Consonâncias
28 a 30 de Junho 2019
Bairro da Ponte de Anta
— org. Centro Comunitário da Ponte de Anta.

 

28 | 16:00 | Festival Consonâncias Júnior – Grupo de Trombones New Age Connection

29 | 21:30 | Grupo de Percussão, Ensemble de Violoncelos, Combo de Jazz da EPME – curso básico

30 | 21:30 | Música de Câmara, Combo de Jazz da EPME – curso secundário

 

FEST – Beach Cinema 2019
Jun 30 @ 21:30 – 23:30
FEST - Beach Cinema 2019
25 Jun – 30 Jun
Hora 21:30
Local: Beira-mar

O novo cinema sai da sala e muda-se para a beira-mar todas as noites para sessões de cinema ao ar livre, com um conjunto de sessões especiais que trarão uma nova cor à marginal de Espinho, como nunca antes visto.
O programa do Beach Cinema para 2019 reserva muitas surpresas, incluindo uma sessão dedicada inteiramente à cidade de Espinho, mas também sessões de comédia e clássicos imperdíveis.

Jul
5
Sex
45º Festival Internacional de Música de Espinho-FIME
Jul 5 todo o dia
45º Festival Internacional de Música de Espinho-FIME
45º Festival Internacional de Música de Espinho-FIME, arranca a 21 de junho, apresentando este ano artistas como o violinista David Grimal, o violoncelista Alexander Rudin, os pianistas Alexander Melnikov e Andreas Staier, e o Kronos Quartet.
Até 20 de julho, a Academia de Música de Espinho propõe assim para aquele que é um dos mais antigos festivais de música erudita do país um cartaz que, além de uma exposição com obras do pintor Mário Bismarck e uma oficina de voz jazz por Andreas Schaerer, integra um total de 16 concertos – entre os quais o que a 19 de julho celebrará o 50º aniversário da chegada do Homem à lua com um espetáculo por alunos da Escola Profissional de Música de Espinho sob a cúpula do planetário local.
Apostando num conjunto de “grandes intérpretes e criteriosas propostas programáticas”, a direção do FIME disponibiliza oito desses concertos a preços entre os quatro e oito euros, e os restantes terão entrada livre, como acontece com o que a 13 de julho levará ao exterior da Piscina Solário Atlântico o cantor e compositor brasileiro Marcos Valle e o que a 20 de julho apresentará na praça da Câmara Municipal o guitarrista Yamandú Costa, também do Brasil, com a Orquestra Clássica de Espinho.
O palco mais assíduo do FIME de 2019 será, no entanto, o Auditório da Academia, que, no arranque do festival, começa por receber o francês David Grimal. O programa desse concerto vai incidir sobre Brahms e Sarasate, com o violinista a conciliar o papel de solista com o de maestro, ao conduzir a Orquestra Clássica de Espinho por diferentes obras do Romantismo tardio.
22 de junho a mesma sala recebe os russos Alexander Rudin (violoncelo) e Alexander Melnikov (piano), para um espetáculo que também se inspira no período romântico e que apresentará obras de Rachmaninov, Chopin e Golowin. O concerto será precedido por uma palestra pelo musicólogo João Silva, que dará a conhecer a ligação entre Rachmaninov e Chopin.
Ainda em junho haverá quatro outras performances: no dia 27 a do Lisboa String Trio no jardim interior da Biblioteca Municipal José Marmelo e Silva, no dia 28 a da jovem violinista norte-americana Elicia Silverstein na Capela de Nossa Senhora da Ajuda, no dia 29 a do coletivo inglês ‘a capella’ The Gesualdo Six na Igreja Matriz de Espinho. No dia 30 a dos percussionistas portugueses Crassh no Auditório da Academia.
Os primeiros três desses concertos têm entrada livre, sendo que, devido à lotação dos espaços em causa, a direção do FIME recomenda levantamento prévio dos respetivos bilhetes.
programação de julho prossegue com o quarteto de cordas polaco MozART Group, que no dia 5 regressa ao Auditório de Espinho com uma prestação em torno da “malícia das cantigas medievais e dos vilancicos renascentistas”, e continua no dia 6 com um recital de pianoforte pelo alemão Andreas Staier, que para o efeito escolheu um repertório com fantasias, variações e sonatas de Mozart, Haydn e Bach.
No dia 8 estarão em destaque os músicos norte-americanos do Kronos Quartet, reconhecido pela forma como interpretam com instrumentos de cordas a obra de autores contemporâneos como Laurie Anderson, Philip Glass, John Coltrane e Steve Reich.
12 de julho o palco caberá ao já referido cantor suíço Andreas Schaerer, que se juntará ao acordeonista italiano Luciano Biondini e ao baterista camaronense Lucas Niggle para explorar “jazz fresco e inventivo”, e a 19 do mesmo mês, a cortina irá abrir-se para o Pérez, Potter,Cohen Quintet, que, reunindo músicos dos Estados Unidos, Panamá e Israel, empregará piano, saxofone-tenor, trompete e contrabaixo para materializar “composições originais inspiradas em mulheres escritoras”.
O cartaz do FIME de 2019 propõe ainda dois “concertos breves” por organistas, ambos na Igreja Matriz de Espinho: a 6 de julho o do inglês Jonathan Ayerst, que irá recorrer a improvisação e as obras do barroco alemão escritas por Bach e Buxtehude, e a 13 de julho o do português António Esteireiro, que selecionou para o efeito obras dos séculos XVII, XIX e XX assinadas por Nicolas de Grigny, César Franck e Marcel Dupré.
Jul
6
Sáb
45º Festival Internacional de Música de Espinho-FIME
Jul 6 todo o dia
45º Festival Internacional de Música de Espinho-FIME
45º Festival Internacional de Música de Espinho-FIME, arranca a 21 de junho, apresentando este ano artistas como o violinista David Grimal, o violoncelista Alexander Rudin, os pianistas Alexander Melnikov e Andreas Staier, e o Kronos Quartet.
Até 20 de julho, a Academia de Música de Espinho propõe assim para aquele que é um dos mais antigos festivais de música erudita do país um cartaz que, além de uma exposição com obras do pintor Mário Bismarck e uma oficina de voz jazz por Andreas Schaerer, integra um total de 16 concertos – entre os quais o que a 19 de julho celebrará o 50º aniversário da chegada do Homem à lua com um espetáculo por alunos da Escola Profissional de Música de Espinho sob a cúpula do planetário local.
Apostando num conjunto de “grandes intérpretes e criteriosas propostas programáticas”, a direção do FIME disponibiliza oito desses concertos a preços entre os quatro e oito euros, e os restantes terão entrada livre, como acontece com o que a 13 de julho levará ao exterior da Piscina Solário Atlântico o cantor e compositor brasileiro Marcos Valle e o que a 20 de julho apresentará na praça da Câmara Municipal o guitarrista Yamandú Costa, também do Brasil, com a Orquestra Clássica de Espinho.
O palco mais assíduo do FIME de 2019 será, no entanto, o Auditório da Academia, que, no arranque do festival, começa por receber o francês David Grimal. O programa desse concerto vai incidir sobre Brahms e Sarasate, com o violinista a conciliar o papel de solista com o de maestro, ao conduzir a Orquestra Clássica de Espinho por diferentes obras do Romantismo tardio.
22 de junho a mesma sala recebe os russos Alexander Rudin (violoncelo) e Alexander Melnikov (piano), para um espetáculo que também se inspira no período romântico e que apresentará obras de Rachmaninov, Chopin e Golowin. O concerto será precedido por uma palestra pelo musicólogo João Silva, que dará a conhecer a ligação entre Rachmaninov e Chopin.
Ainda em junho haverá quatro outras performances: no dia 27 a do Lisboa String Trio no jardim interior da Biblioteca Municipal José Marmelo e Silva, no dia 28 a da jovem violinista norte-americana Elicia Silverstein na Capela de Nossa Senhora da Ajuda, no dia 29 a do coletivo inglês ‘a capella’ The Gesualdo Six na Igreja Matriz de Espinho. No dia 30 a dos percussionistas portugueses Crassh no Auditório da Academia.
Os primeiros três desses concertos têm entrada livre, sendo que, devido à lotação dos espaços em causa, a direção do FIME recomenda levantamento prévio dos respetivos bilhetes.
programação de julho prossegue com o quarteto de cordas polaco MozART Group, que no dia 5 regressa ao Auditório de Espinho com uma prestação em torno da “malícia das cantigas medievais e dos vilancicos renascentistas”, e continua no dia 6 com um recital de pianoforte pelo alemão Andreas Staier, que para o efeito escolheu um repertório com fantasias, variações e sonatas de Mozart, Haydn e Bach.
No dia 8 estarão em destaque os músicos norte-americanos do Kronos Quartet, reconhecido pela forma como interpretam com instrumentos de cordas a obra de autores contemporâneos como Laurie Anderson, Philip Glass, John Coltrane e Steve Reich.
12 de julho o palco caberá ao já referido cantor suíço Andreas Schaerer, que se juntará ao acordeonista italiano Luciano Biondini e ao baterista camaronense Lucas Niggle para explorar “jazz fresco e inventivo”, e a 19 do mesmo mês, a cortina irá abrir-se para o Pérez, Potter,Cohen Quintet, que, reunindo músicos dos Estados Unidos, Panamá e Israel, empregará piano, saxofone-tenor, trompete e contrabaixo para materializar “composições originais inspiradas em mulheres escritoras”.
O cartaz do FIME de 2019 propõe ainda dois “concertos breves” por organistas, ambos na Igreja Matriz de Espinho: a 6 de julho o do inglês Jonathan Ayerst, que irá recorrer a improvisação e as obras do barroco alemão escritas por Bach e Buxtehude, e a 13 de julho o do português António Esteireiro, que selecionou para o efeito obras dos séculos XVII, XIX e XX assinadas por Nicolas de Grigny, César Franck e Marcel Dupré.
Festival de Folclore de Paramos 2019
Jul 6 @ 21:30 – 23:45
Festival de Folclore de Paramos 2019

6 Julho / 21h30

Sede: Rua Vale do Vouga, n 235 Paramos

Assim como é tradição, o Rancho Regional Recordar é Viver de Paramos irá realizar o seu Festival de Folclore. Desde já estão todos convidados para assistir ao espetáculo, contam com a participação dos grupos Rancho Regional Recordar é Viver de Paramos – Espinho, Grupo Folclórico de Santa Cruz de Vila Meã – Amarante, Grupo Folclórico Os Moliceiros de Ovar – Ovar e Grupo Folclórico Santa Maria de Moure – Barcelos.

O Festival dará inicio com o Desfile Etnográfico às 21:30h e seguirá com as actuações de todos os grupos.

Também é disponibilizado serviço de comes e bebes no recinto do Festival.

Jul
8
Seg
45º Festival Internacional de Música de Espinho-FIME
Jul 8 todo o dia
45º Festival Internacional de Música de Espinho-FIME
45º Festival Internacional de Música de Espinho-FIME, arranca a 21 de junho, apresentando este ano artistas como o violinista David Grimal, o violoncelista Alexander Rudin, os pianistas Alexander Melnikov e Andreas Staier, e o Kronos Quartet.
Até 20 de julho, a Academia de Música de Espinho propõe assim para aquele que é um dos mais antigos festivais de música erudita do país um cartaz que, além de uma exposição com obras do pintor Mário Bismarck e uma oficina de voz jazz por Andreas Schaerer, integra um total de 16 concertos – entre os quais o que a 19 de julho celebrará o 50º aniversário da chegada do Homem à lua com um espetáculo por alunos da Escola Profissional de Música de Espinho sob a cúpula do planetário local.
Apostando num conjunto de “grandes intérpretes e criteriosas propostas programáticas”, a direção do FIME disponibiliza oito desses concertos a preços entre os quatro e oito euros, e os restantes terão entrada livre, como acontece com o que a 13 de julho levará ao exterior da Piscina Solário Atlântico o cantor e compositor brasileiro Marcos Valle e o que a 20 de julho apresentará na praça da Câmara Municipal o guitarrista Yamandú Costa, também do Brasil, com a Orquestra Clássica de Espinho.
O palco mais assíduo do FIME de 2019 será, no entanto, o Auditório da Academia, que, no arranque do festival, começa por receber o francês David Grimal. O programa desse concerto vai incidir sobre Brahms e Sarasate, com o violinista a conciliar o papel de solista com o de maestro, ao conduzir a Orquestra Clássica de Espinho por diferentes obras do Romantismo tardio.
22 de junho a mesma sala recebe os russos Alexander Rudin (violoncelo) e Alexander Melnikov (piano), para um espetáculo que também se inspira no período romântico e que apresentará obras de Rachmaninov, Chopin e Golowin. O concerto será precedido por uma palestra pelo musicólogo João Silva, que dará a conhecer a ligação entre Rachmaninov e Chopin.
Ainda em junho haverá quatro outras performances: no dia 27 a do Lisboa String Trio no jardim interior da Biblioteca Municipal José Marmelo e Silva, no dia 28 a da jovem violinista norte-americana Elicia Silverstein na Capela de Nossa Senhora da Ajuda, no dia 29 a do coletivo inglês ‘a capella’ The Gesualdo Six na Igreja Matriz de Espinho. No dia 30 a dos percussionistas portugueses Crassh no Auditório da Academia.
Os primeiros três desses concertos têm entrada livre, sendo que, devido à lotação dos espaços em causa, a direção do FIME recomenda levantamento prévio dos respetivos bilhetes.
programação de julho prossegue com o quarteto de cordas polaco MozART Group, que no dia 5 regressa ao Auditório de Espinho com uma prestação em torno da “malícia das cantigas medievais e dos vilancicos renascentistas”, e continua no dia 6 com um recital de pianoforte pelo alemão Andreas Staier, que para o efeito escolheu um repertório com fantasias, variações e sonatas de Mozart, Haydn e Bach.
No dia 8 estarão em destaque os músicos norte-americanos do Kronos Quartet, reconhecido pela forma como interpretam com instrumentos de cordas a obra de autores contemporâneos como Laurie Anderson, Philip Glass, John Coltrane e Steve Reich.
12 de julho o palco caberá ao já referido cantor suíço Andreas Schaerer, que se juntará ao acordeonista italiano Luciano Biondini e ao baterista camaronense Lucas Niggle para explorar “jazz fresco e inventivo”, e a 19 do mesmo mês, a cortina irá abrir-se para o Pérez, Potter,Cohen Quintet, que, reunindo músicos dos Estados Unidos, Panamá e Israel, empregará piano, saxofone-tenor, trompete e contrabaixo para materializar “composições originais inspiradas em mulheres escritoras”.
O cartaz do FIME de 2019 propõe ainda dois “concertos breves” por organistas, ambos na Igreja Matriz de Espinho: a 6 de julho o do inglês Jonathan Ayerst, que irá recorrer a improvisação e as obras do barroco alemão escritas por Bach e Buxtehude, e a 13 de julho o do português António Esteireiro, que selecionou para o efeito obras dos séculos XVII, XIX e XX assinadas por Nicolas de Grigny, César Franck e Marcel Dupré.
Jul
12
Sex
45º Festival Internacional de Música de Espinho-FIME
Jul 12 todo o dia
45º Festival Internacional de Música de Espinho-FIME
45º Festival Internacional de Música de Espinho-FIME, arranca a 21 de junho, apresentando este ano artistas como o violinista David Grimal, o violoncelista Alexander Rudin, os pianistas Alexander Melnikov e Andreas Staier, e o Kronos Quartet.
Até 20 de julho, a Academia de Música de Espinho propõe assim para aquele que é um dos mais antigos festivais de música erudita do país um cartaz que, além de uma exposição com obras do pintor Mário Bismarck e uma oficina de voz jazz por Andreas Schaerer, integra um total de 16 concertos – entre os quais o que a 19 de julho celebrará o 50º aniversário da chegada do Homem à lua com um espetáculo por alunos da Escola Profissional de Música de Espinho sob a cúpula do planetário local.
Apostando num conjunto de “grandes intérpretes e criteriosas propostas programáticas”, a direção do FIME disponibiliza oito desses concertos a preços entre os quatro e oito euros, e os restantes terão entrada livre, como acontece com o que a 13 de julho levará ao exterior da Piscina Solário Atlântico o cantor e compositor brasileiro Marcos Valle e o que a 20 de julho apresentará na praça da Câmara Municipal o guitarrista Yamandú Costa, também do Brasil, com a Orquestra Clássica de Espinho.
O palco mais assíduo do FIME de 2019 será, no entanto, o Auditório da Academia, que, no arranque do festival, começa por receber o francês David Grimal. O programa desse concerto vai incidir sobre Brahms e Sarasate, com o violinista a conciliar o papel de solista com o de maestro, ao conduzir a Orquestra Clássica de Espinho por diferentes obras do Romantismo tardio.
22 de junho a mesma sala recebe os russos Alexander Rudin (violoncelo) e Alexander Melnikov (piano), para um espetáculo que também se inspira no período romântico e que apresentará obras de Rachmaninov, Chopin e Golowin. O concerto será precedido por uma palestra pelo musicólogo João Silva, que dará a conhecer a ligação entre Rachmaninov e Chopin.
Ainda em junho haverá quatro outras performances: no dia 27 a do Lisboa String Trio no jardim interior da Biblioteca Municipal José Marmelo e Silva, no dia 28 a da jovem violinista norte-americana Elicia Silverstein na Capela de Nossa Senhora da Ajuda, no dia 29 a do coletivo inglês ‘a capella’ The Gesualdo Six na Igreja Matriz de Espinho. No dia 30 a dos percussionistas portugueses Crassh no Auditório da Academia.
Os primeiros três desses concertos têm entrada livre, sendo que, devido à lotação dos espaços em causa, a direção do FIME recomenda levantamento prévio dos respetivos bilhetes.
programação de julho prossegue com o quarteto de cordas polaco MozART Group, que no dia 5 regressa ao Auditório de Espinho com uma prestação em torno da “malícia das cantigas medievais e dos vilancicos renascentistas”, e continua no dia 6 com um recital de pianoforte pelo alemão Andreas Staier, que para o efeito escolheu um repertório com fantasias, variações e sonatas de Mozart, Haydn e Bach.
No dia 8 estarão em destaque os músicos norte-americanos do Kronos Quartet, reconhecido pela forma como interpretam com instrumentos de cordas a obra de autores contemporâneos como Laurie Anderson, Philip Glass, John Coltrane e Steve Reich.
12 de julho o palco caberá ao já referido cantor suíço Andreas Schaerer, que se juntará ao acordeonista italiano Luciano Biondini e ao baterista camaronense Lucas Niggle para explorar “jazz fresco e inventivo”, e a 19 do mesmo mês, a cortina irá abrir-se para o Pérez, Potter,Cohen Quintet, que, reunindo músicos dos Estados Unidos, Panamá e Israel, empregará piano, saxofone-tenor, trompete e contrabaixo para materializar “composições originais inspiradas em mulheres escritoras”.
O cartaz do FIME de 2019 propõe ainda dois “concertos breves” por organistas, ambos na Igreja Matriz de Espinho: a 6 de julho o do inglês Jonathan Ayerst, que irá recorrer a improvisação e as obras do barroco alemão escritas por Bach e Buxtehude, e a 13 de julho o do português António Esteireiro, que selecionou para o efeito obras dos séculos XVII, XIX e XX assinadas por Nicolas de Grigny, César Franck e Marcel Dupré.
Jul
13
Sáb
45º Festival Internacional de Música de Espinho-FIME
Jul 13 todo o dia
45º Festival Internacional de Música de Espinho-FIME
45º Festival Internacional de Música de Espinho-FIME, arranca a 21 de junho, apresentando este ano artistas como o violinista David Grimal, o violoncelista Alexander Rudin, os pianistas Alexander Melnikov e Andreas Staier, e o Kronos Quartet.
Até 20 de julho, a Academia de Música de Espinho propõe assim para aquele que é um dos mais antigos festivais de música erudita do país um cartaz que, além de uma exposição com obras do pintor Mário Bismarck e uma oficina de voz jazz por Andreas Schaerer, integra um total de 16 concertos – entre os quais o que a 19 de julho celebrará o 50º aniversário da chegada do Homem à lua com um espetáculo por alunos da Escola Profissional de Música de Espinho sob a cúpula do planetário local.
Apostando num conjunto de “grandes intérpretes e criteriosas propostas programáticas”, a direção do FIME disponibiliza oito desses concertos a preços entre os quatro e oito euros, e os restantes terão entrada livre, como acontece com o que a 13 de julho levará ao exterior da Piscina Solário Atlântico o cantor e compositor brasileiro Marcos Valle e o que a 20 de julho apresentará na praça da Câmara Municipal o guitarrista Yamandú Costa, também do Brasil, com a Orquestra Clássica de Espinho.
O palco mais assíduo do FIME de 2019 será, no entanto, o Auditório da Academia, que, no arranque do festival, começa por receber o francês David Grimal. O programa desse concerto vai incidir sobre Brahms e Sarasate, com o violinista a conciliar o papel de solista com o de maestro, ao conduzir a Orquestra Clássica de Espinho por diferentes obras do Romantismo tardio.
22 de junho a mesma sala recebe os russos Alexander Rudin (violoncelo) e Alexander Melnikov (piano), para um espetáculo que também se inspira no período romântico e que apresentará obras de Rachmaninov, Chopin e Golowin. O concerto será precedido por uma palestra pelo musicólogo João Silva, que dará a conhecer a ligação entre Rachmaninov e Chopin.
Ainda em junho haverá quatro outras performances: no dia 27 a do Lisboa String Trio no jardim interior da Biblioteca Municipal José Marmelo e Silva, no dia 28 a da jovem violinista norte-americana Elicia Silverstein na Capela de Nossa Senhora da Ajuda, no dia 29 a do coletivo inglês ‘a capella’ The Gesualdo Six na Igreja Matriz de Espinho. No dia 30 a dos percussionistas portugueses Crassh no Auditório da Academia.
Os primeiros três desses concertos têm entrada livre, sendo que, devido à lotação dos espaços em causa, a direção do FIME recomenda levantamento prévio dos respetivos bilhetes.
programação de julho prossegue com o quarteto de cordas polaco MozART Group, que no dia 5 regressa ao Auditório de Espinho com uma prestação em torno da “malícia das cantigas medievais e dos vilancicos renascentistas”, e continua no dia 6 com um recital de pianoforte pelo alemão Andreas Staier, que para o efeito escolheu um repertório com fantasias, variações e sonatas de Mozart, Haydn e Bach.
No dia 8 estarão em destaque os músicos norte-americanos do Kronos Quartet, reconhecido pela forma como interpretam com instrumentos de cordas a obra de autores contemporâneos como Laurie Anderson, Philip Glass, John Coltrane e Steve Reich.
12 de julho o palco caberá ao já referido cantor suíço Andreas Schaerer, que se juntará ao acordeonista italiano Luciano Biondini e ao baterista camaronense Lucas Niggle para explorar “jazz fresco e inventivo”, e a 19 do mesmo mês, a cortina irá abrir-se para o Pérez, Potter,Cohen Quintet, que, reunindo músicos dos Estados Unidos, Panamá e Israel, empregará piano, saxofone-tenor, trompete e contrabaixo para materializar “composições originais inspiradas em mulheres escritoras”.
O cartaz do FIME de 2019 propõe ainda dois “concertos breves” por organistas, ambos na Igreja Matriz de Espinho: a 6 de julho o do inglês Jonathan Ayerst, que irá recorrer a improvisação e as obras do barroco alemão escritas por Bach e Buxtehude, e a 13 de julho o do português António Esteireiro, que selecionou para o efeito obras dos séculos XVII, XIX e XX assinadas por Nicolas de Grigny, César Franck e Marcel Dupré.
Jul
19
Sex
45º Festival Internacional de Música de Espinho-FIME
Jul 19 todo o dia
45º Festival Internacional de Música de Espinho-FIME
45º Festival Internacional de Música de Espinho-FIME, arranca a 21 de junho, apresentando este ano artistas como o violinista David Grimal, o violoncelista Alexander Rudin, os pianistas Alexander Melnikov e Andreas Staier, e o Kronos Quartet.
Até 20 de julho, a Academia de Música de Espinho propõe assim para aquele que é um dos mais antigos festivais de música erudita do país um cartaz que, além de uma exposição com obras do pintor Mário Bismarck e uma oficina de voz jazz por Andreas Schaerer, integra um total de 16 concertos – entre os quais o que a 19 de julho celebrará o 50º aniversário da chegada do Homem à lua com um espetáculo por alunos da Escola Profissional de Música de Espinho sob a cúpula do planetário local.
Apostando num conjunto de “grandes intérpretes e criteriosas propostas programáticas”, a direção do FIME disponibiliza oito desses concertos a preços entre os quatro e oito euros, e os restantes terão entrada livre, como acontece com o que a 13 de julho levará ao exterior da Piscina Solário Atlântico o cantor e compositor brasileiro Marcos Valle e o que a 20 de julho apresentará na praça da Câmara Municipal o guitarrista Yamandú Costa, também do Brasil, com a Orquestra Clássica de Espinho.
O palco mais assíduo do FIME de 2019 será, no entanto, o Auditório da Academia, que, no arranque do festival, começa por receber o francês David Grimal. O programa desse concerto vai incidir sobre Brahms e Sarasate, com o violinista a conciliar o papel de solista com o de maestro, ao conduzir a Orquestra Clássica de Espinho por diferentes obras do Romantismo tardio.
22 de junho a mesma sala recebe os russos Alexander Rudin (violoncelo) e Alexander Melnikov (piano), para um espetáculo que também se inspira no período romântico e que apresentará obras de Rachmaninov, Chopin e Golowin. O concerto será precedido por uma palestra pelo musicólogo João Silva, que dará a conhecer a ligação entre Rachmaninov e Chopin.
Ainda em junho haverá quatro outras performances: no dia 27 a do Lisboa String Trio no jardim interior da Biblioteca Municipal José Marmelo e Silva, no dia 28 a da jovem violinista norte-americana Elicia Silverstein na Capela de Nossa Senhora da Ajuda, no dia 29 a do coletivo inglês ‘a capella’ The Gesualdo Six na Igreja Matriz de Espinho. No dia 30 a dos percussionistas portugueses Crassh no Auditório da Academia.
Os primeiros três desses concertos têm entrada livre, sendo que, devido à lotação dos espaços em causa, a direção do FIME recomenda levantamento prévio dos respetivos bilhetes.
programação de julho prossegue com o quarteto de cordas polaco MozART Group, que no dia 5 regressa ao Auditório de Espinho com uma prestação em torno da “malícia das cantigas medievais e dos vilancicos renascentistas”, e continua no dia 6 com um recital de pianoforte pelo alemão Andreas Staier, que para o efeito escolheu um repertório com fantasias, variações e sonatas de Mozart, Haydn e Bach.
No dia 8 estarão em destaque os músicos norte-americanos do Kronos Quartet, reconhecido pela forma como interpretam com instrumentos de cordas a obra de autores contemporâneos como Laurie Anderson, Philip Glass, John Coltrane e Steve Reich.
12 de julho o palco caberá ao já referido cantor suíço Andreas Schaerer, que se juntará ao acordeonista italiano Luciano Biondini e ao baterista camaronense Lucas Niggle para explorar “jazz fresco e inventivo”, e a 19 do mesmo mês, a cortina irá abrir-se para o Pérez, Potter,Cohen Quintet, que, reunindo músicos dos Estados Unidos, Panamá e Israel, empregará piano, saxofone-tenor, trompete e contrabaixo para materializar “composições originais inspiradas em mulheres escritoras”.
O cartaz do FIME de 2019 propõe ainda dois “concertos breves” por organistas, ambos na Igreja Matriz de Espinho: a 6 de julho o do inglês Jonathan Ayerst, que irá recorrer a improvisação e as obras do barroco alemão escritas por Bach e Buxtehude, e a 13 de julho o do português António Esteireiro, que selecionou para o efeito obras dos séculos XVII, XIX e XX assinadas por Nicolas de Grigny, César Franck e Marcel Dupré.
Jul
20
Sáb
45º Festival Internacional de Música de Espinho-FIME
Jul 20 todo o dia
45º Festival Internacional de Música de Espinho-FIME
45º Festival Internacional de Música de Espinho-FIME, arranca a 21 de junho, apresentando este ano artistas como o violinista David Grimal, o violoncelista Alexander Rudin, os pianistas Alexander Melnikov e Andreas Staier, e o Kronos Quartet.
Até 20 de julho, a Academia de Música de Espinho propõe assim para aquele que é um dos mais antigos festivais de música erudita do país um cartaz que, além de uma exposição com obras do pintor Mário Bismarck e uma oficina de voz jazz por Andreas Schaerer, integra um total de 16 concertos – entre os quais o que a 19 de julho celebrará o 50º aniversário da chegada do Homem à lua com um espetáculo por alunos da Escola Profissional de Música de Espinho sob a cúpula do planetário local.
Apostando num conjunto de “grandes intérpretes e criteriosas propostas programáticas”, a direção do FIME disponibiliza oito desses concertos a preços entre os quatro e oito euros, e os restantes terão entrada livre, como acontece com o que a 13 de julho levará ao exterior da Piscina Solário Atlântico o cantor e compositor brasileiro Marcos Valle e o que a 20 de julho apresentará na praça da Câmara Municipal o guitarrista Yamandú Costa, também do Brasil, com a Orquestra Clássica de Espinho.
O palco mais assíduo do FIME de 2019 será, no entanto, o Auditório da Academia, que, no arranque do festival, começa por receber o francês David Grimal. O programa desse concerto vai incidir sobre Brahms e Sarasate, com o violinista a conciliar o papel de solista com o de maestro, ao conduzir a Orquestra Clássica de Espinho por diferentes obras do Romantismo tardio.
22 de junho a mesma sala recebe os russos Alexander Rudin (violoncelo) e Alexander Melnikov (piano), para um espetáculo que também se inspira no período romântico e que apresentará obras de Rachmaninov, Chopin e Golowin. O concerto será precedido por uma palestra pelo musicólogo João Silva, que dará a conhecer a ligação entre Rachmaninov e Chopin.
Ainda em junho haverá quatro outras performances: no dia 27 a do Lisboa String Trio no jardim interior da Biblioteca Municipal José Marmelo e Silva, no dia 28 a da jovem violinista norte-americana Elicia Silverstein na Capela de Nossa Senhora da Ajuda, no dia 29 a do coletivo inglês ‘a capella’ The Gesualdo Six na Igreja Matriz de Espinho. No dia 30 a dos percussionistas portugueses Crassh no Auditório da Academia.
Os primeiros três desses concertos têm entrada livre, sendo que, devido à lotação dos espaços em causa, a direção do FIME recomenda levantamento prévio dos respetivos bilhetes.
programação de julho prossegue com o quarteto de cordas polaco MozART Group, que no dia 5 regressa ao Auditório de Espinho com uma prestação em torno da “malícia das cantigas medievais e dos vilancicos renascentistas”, e continua no dia 6 com um recital de pianoforte pelo alemão Andreas Staier, que para o efeito escolheu um repertório com fantasias, variações e sonatas de Mozart, Haydn e Bach.
No dia 8 estarão em destaque os músicos norte-americanos do Kronos Quartet, reconhecido pela forma como interpretam com instrumentos de cordas a obra de autores contemporâneos como Laurie Anderson, Philip Glass, John Coltrane e Steve Reich.
12 de julho o palco caberá ao já referido cantor suíço Andreas Schaerer, que se juntará ao acordeonista italiano Luciano Biondini e ao baterista camaronense Lucas Niggle para explorar “jazz fresco e inventivo”, e a 19 do mesmo mês, a cortina irá abrir-se para o Pérez, Potter,Cohen Quintet, que, reunindo músicos dos Estados Unidos, Panamá e Israel, empregará piano, saxofone-tenor, trompete e contrabaixo para materializar “composições originais inspiradas em mulheres escritoras”.
O cartaz do FIME de 2019 propõe ainda dois “concertos breves” por organistas, ambos na Igreja Matriz de Espinho: a 6 de julho o do inglês Jonathan Ayerst, que irá recorrer a improvisação e as obras do barroco alemão escritas por Bach e Buxtehude, e a 13 de julho o do português António Esteireiro, que selecionou para o efeito obras dos séculos XVII, XIX e XX assinadas por Nicolas de Grigny, César Franck e Marcel Dupré.
Jul
25
Qui
Festival Internacional de Folclore – Tradições do Mundo 2019
Jul 25 @ 21:30 – 23:45
Festival Internacional de Folclore – Tradições do Mundo 2019

27 Julho / 21:30

Festival Internacional de Folclore – Tradições do Mundo 2019

Local: Praça Dr. José Salvador – Espinho

Entrada livre

 

25 de Julho de 2019
21:45 horas – Amostra folclórica: Breve atuação do Zagreb Folk Dance Ensemble – Croácia, na Praia de Espinho.

27 de Julho de 2019
16:30 horas – Arruada c/ Pauliteiros, da Associação Cultural e Recreativa de Malhadas – Miranda ddo Douro.
17:00 horas – Concentração dos Grupos que vão participar no Festival.
17:15 horas – Içar das bandeiras.
– Em cerimónia preparada, içar as Bandeiras de Espinho, da Federação, a Nacional, as dos
Países estrangeiros presentes no Festival, e a da Associação do Folclore do Concelho de Espinho.
17:45 horas – Receção oficial.
– Receção na Câmara Municipal pelos Presidentes da Câmara, da Associação de Folclore de
Espinho e da Federação do Folclore Português.
– Com a presença de toda a Vereação, Presidente Assembleia Municipal, Presidentes de todas
as Juntas de Freguesia e Presidentes das respetivas Assembleias.
– Presença ainda dos Convidados a escolher.
– Presença de todos os Grupos Nacionais e Estrangeiros intervenientes no Festival.
– Presença das delegações dos quatro Grupos do Concelho.
– Presença do Público.
– Participação musical abrir e fechar a recepção oficial com o grupo Baladas Nostalgia.
– Para, além da receção, breves discursos e entrega de lembranças.
– Apontamento musical a abrir e fechar a Sessão Solene pelo “Grupo Baladas e
Nostalgia”.
19:00 horas – Jantar.
– No Restaurante Luso-Venezolano para os convidados, Grupos intervenientes no Festival,
Guias e Diretores da Associação.
– Ninguém deve jantar trajado.
20:00 horas – Trajar.
– Todos os Grupos devem trajar.
20:30 horas – Saída do Restaurante.
– Já trajados, os Grupos devem sair em direção aos locais pré-definidos.
21:00 horas – Desfile Etnográfico.

– Pela ordem previamente estabelecida, desfilam os Grupos participantes no Festival.
– Os Grupos concentram-se na Rua 19, com início o desfile no cruzamento com a Rua 14.
– A ordem é a mesma da atuação, excepto o Grupo Cultural e Recreativo Semente que será o
último no desfile e ao passar pelo palco já lá fica para a sua atuação.
– Quando o primeiro Grupo do desfile der entrada no largo da Câmara, será dada a abertura
simbólica do espetáculo pela entidade pré-estabelecida.
– Na passagem pelo palco, desde o início da entrada até ao fim da saída, cada Grupo não pode
ultrapassar os dois minutos.
21:45 horas – Festival de Folclore: O palco para o espetáculo está situado frente ao edifício do
Município.
Grupos Participantes e respetiva ordem de participação:
1 – Associação Cultural e Recreativa de Malhadas – Miranda do Douro – 21h45
2 – Grupo Cultural e Recreativo Semente – Anta/Espinho (Douro Litoral Sul) – 21h50
3 – Rancho Folclórico Sociedade R. Educativa da Romeira – Santarém (Ribatejo) – 22h05
4 – Rancho Folclórico de Nespereira – Gouveia (Beira Alta) – 22h25
5 – Danzart Bolívia – Bolívia – 22h40
6 – Grupo Folclórico de Nespereira – Cinfães (Entre Douro e Minho) – 22h55
7 – Rancho Folclórico S. Pedro de Roriz – Santo Tirso (Baixo Minho) – 23h10
8 – Zagreb Folk Dance Ensemble – Croácia – 23h25
Grupos Nacionais, 15 (quinze) minutos cada, Grupos Estrangeiros com 20 (vinte) minutos (No total serão
120 (cento e vinte) minutos.
23:50 horas – Despedidas.
– Sem que o último Grupo saia do palco, subirão todos os Grupos e, em conjunto, Grupos e
público, cantarão o hino “Aleluia”.
– As bandeiras sobem ao palco e ficam na linha da frente, a meio do hino, apagar-se-ão as
luzes e será lançado o fogo-de-artifício.
– Terminado o fogo, acende-se a luzes.
24:00 horas – Encerramento do Festival de Folclore.

Jul
26
Sex
Pistons and Fins 2019
Jul 26 todo o dia

26 a 28 Julho

Pistons and Fins 2019

Engine & Boardculture Festival

Tendo por base a cultura urbana, o culto por motas, carros e surf, o Pistons And Fins apresenta, na sua 3ª Edição, um programa diversificado, completo e para todos os gostos. A não perder as competições de surf, as drag races, os concertos, que se farão acompanhar de boa música e street food a preceito.

Esplanada Praia da Baía

Jul
27
Sáb
Pistons and Fins 2019
Jul 27 todo o dia

26 a 28 Julho

Pistons and Fins 2019

Engine & Boardculture Festival

Tendo por base a cultura urbana, o culto por motas, carros e surf, o Pistons And Fins apresenta, na sua 3ª Edição, um programa diversificado, completo e para todos os gostos. A não perder as competições de surf, as drag races, os concertos, que se farão acompanhar de boa música e street food a preceito.

Esplanada Praia da Baía

Festival Internacional de Folclore – Tradições do Mundo 2019
Jul 27 @ 21:30 – 23:45
Festival Internacional de Folclore – Tradições do Mundo 2019

27 Julho / 21:30

Festival Internacional de Folclore – Tradições do Mundo 2019

Local: Praça Dr. José Salvador – Espinho

Entrada livre

 

25 de Julho de 2019
21:45 horas – Amostra folclórica: Breve atuação do Zagreb Folk Dance Ensemble – Croácia, na Praia de Espinho.

27 de Julho de 2019
16:30 horas – Arruada c/ Pauliteiros, da Associação Cultural e Recreativa de Malhadas – Miranda ddo Douro.
17:00 horas – Concentração dos Grupos que vão participar no Festival.
17:15 horas – Içar das bandeiras.
– Em cerimónia preparada, içar as Bandeiras de Espinho, da Federação, a Nacional, as dos
Países estrangeiros presentes no Festival, e a da Associação do Folclore do Concelho de Espinho.
17:45 horas – Receção oficial.
– Receção na Câmara Municipal pelos Presidentes da Câmara, da Associação de Folclore de
Espinho e da Federação do Folclore Português.
– Com a presença de toda a Vereação, Presidente Assembleia Municipal, Presidentes de todas
as Juntas de Freguesia e Presidentes das respetivas Assembleias.
– Presença ainda dos Convidados a escolher.
– Presença de todos os Grupos Nacionais e Estrangeiros intervenientes no Festival.
– Presença das delegações dos quatro Grupos do Concelho.
– Presença do Público.
– Participação musical abrir e fechar a recepção oficial com o grupo Baladas Nostalgia.
– Para, além da receção, breves discursos e entrega de lembranças.
– Apontamento musical a abrir e fechar a Sessão Solene pelo “Grupo Baladas e
Nostalgia”.
19:00 horas – Jantar.
– No Restaurante Luso-Venezolano para os convidados, Grupos intervenientes no Festival,
Guias e Diretores da Associação.
– Ninguém deve jantar trajado.
20:00 horas – Trajar.
– Todos os Grupos devem trajar.
20:30 horas – Saída do Restaurante.
– Já trajados, os Grupos devem sair em direção aos locais pré-definidos.
21:00 horas – Desfile Etnográfico.

– Pela ordem previamente estabelecida, desfilam os Grupos participantes no Festival.
– Os Grupos concentram-se na Rua 19, com início o desfile no cruzamento com a Rua 14.
– A ordem é a mesma da atuação, excepto o Grupo Cultural e Recreativo Semente que será o
último no desfile e ao passar pelo palco já lá fica para a sua atuação.
– Quando o primeiro Grupo do desfile der entrada no largo da Câmara, será dada a abertura
simbólica do espetáculo pela entidade pré-estabelecida.
– Na passagem pelo palco, desde o início da entrada até ao fim da saída, cada Grupo não pode
ultrapassar os dois minutos.
21:45 horas – Festival de Folclore: O palco para o espetáculo está situado frente ao edifício do
Município.
Grupos Participantes e respetiva ordem de participação:
1 – Associação Cultural e Recreativa de Malhadas – Miranda do Douro – 21h45
2 – Grupo Cultural e Recreativo Semente – Anta/Espinho (Douro Litoral Sul) – 21h50
3 – Rancho Folclórico Sociedade R. Educativa da Romeira – Santarém (Ribatejo) – 22h05
4 – Rancho Folclórico de Nespereira – Gouveia (Beira Alta) – 22h25
5 – Danzart Bolívia – Bolívia – 22h40
6 – Grupo Folclórico de Nespereira – Cinfães (Entre Douro e Minho) – 22h55
7 – Rancho Folclórico S. Pedro de Roriz – Santo Tirso (Baixo Minho) – 23h10
8 – Zagreb Folk Dance Ensemble – Croácia – 23h25
Grupos Nacionais, 15 (quinze) minutos cada, Grupos Estrangeiros com 20 (vinte) minutos (No total serão
120 (cento e vinte) minutos.
23:50 horas – Despedidas.
– Sem que o último Grupo saia do palco, subirão todos os Grupos e, em conjunto, Grupos e
público, cantarão o hino “Aleluia”.
– As bandeiras sobem ao palco e ficam na linha da frente, a meio do hino, apagar-se-ão as
luzes e será lançado o fogo-de-artifício.
– Terminado o fogo, acende-se a luzes.
24:00 horas – Encerramento do Festival de Folclore.