Agenda de Eventos
Jun
21
Sex
45º Festival Internacional de Música de Espinho-FIME
Jun 21 todo o dia
45º Festival Internacional de Música de Espinho-FIME
45º Festival Internacional de Música de Espinho-FIME, arranca a 21 de junho, apresentando este ano artistas como o violinista David Grimal, o violoncelista Alexander Rudin, os pianistas Alexander Melnikov e Andreas Staier, e o Kronos Quartet.
Até 20 de julho, a Academia de Música de Espinho propõe assim para aquele que é um dos mais antigos festivais de música erudita do país um cartaz que, além de uma exposição com obras do pintor Mário Bismarck e uma oficina de voz jazz por Andreas Schaerer, integra um total de 16 concertos – entre os quais o que a 19 de julho celebrará o 50º aniversário da chegada do Homem à lua com um espetáculo por alunos da Escola Profissional de Música de Espinho sob a cúpula do planetário local.
Apostando num conjunto de “grandes intérpretes e criteriosas propostas programáticas”, a direção do FIME disponibiliza oito desses concertos a preços entre os quatro e oito euros, e os restantes terão entrada livre, como acontece com o que a 13 de julho levará ao exterior da Piscina Solário Atlântico o cantor e compositor brasileiro Marcos Valle e o que a 20 de julho apresentará na praça da Câmara Municipal o guitarrista Yamandú Costa, também do Brasil, com a Orquestra Clássica de Espinho.
O palco mais assíduo do FIME de 2019 será, no entanto, o Auditório da Academia, que, no arranque do festival, começa por receber o francês David Grimal. O programa desse concerto vai incidir sobre Brahms e Sarasate, com o violinista a conciliar o papel de solista com o de maestro, ao conduzir a Orquestra Clássica de Espinho por diferentes obras do Romantismo tardio.
22 de junho a mesma sala recebe os russos Alexander Rudin (violoncelo) e Alexander Melnikov (piano), para um espetáculo que também se inspira no período romântico e que apresentará obras de Rachmaninov, Chopin e Golowin. O concerto será precedido por uma palestra pelo musicólogo João Silva, que dará a conhecer a ligação entre Rachmaninov e Chopin.
Ainda em junho haverá quatro outras performances: no dia 27 a do Lisboa String Trio no jardim interior da Biblioteca Municipal José Marmelo e Silva, no dia 28 a da jovem violinista norte-americana Elicia Silverstein na Capela de Nossa Senhora da Ajuda, no dia 29 a do coletivo inglês ‘a capella’ The Gesualdo Six na Igreja Matriz de Espinho. No dia 30 a dos percussionistas portugueses Crassh no Auditório da Academia.
Os primeiros três desses concertos têm entrada livre, sendo que, devido à lotação dos espaços em causa, a direção do FIME recomenda levantamento prévio dos respetivos bilhetes.
programação de julho prossegue com o quarteto de cordas polaco MozART Group, que no dia 5 regressa ao Auditório de Espinho com uma prestação em torno da “malícia das cantigas medievais e dos vilancicos renascentistas”, e continua no dia 6 com um recital de pianoforte pelo alemão Andreas Staier, que para o efeito escolheu um repertório com fantasias, variações e sonatas de Mozart, Haydn e Bach.
No dia 8 estarão em destaque os músicos norte-americanos do Kronos Quartet, reconhecido pela forma como interpretam com instrumentos de cordas a obra de autores contemporâneos como Laurie Anderson, Philip Glass, John Coltrane e Steve Reich.
12 de julho o palco caberá ao já referido cantor suíço Andreas Schaerer, que se juntará ao acordeonista italiano Luciano Biondini e ao baterista camaronense Lucas Niggle para explorar “jazz fresco e inventivo”, e a 19 do mesmo mês, a cortina irá abrir-se para o Pérez, Potter,Cohen Quintet, que, reunindo músicos dos Estados Unidos, Panamá e Israel, empregará piano, saxofone-tenor, trompete e contrabaixo para materializar “composições originais inspiradas em mulheres escritoras”.
O cartaz do FIME de 2019 propõe ainda dois “concertos breves” por organistas, ambos na Igreja Matriz de Espinho: a 6 de julho o do inglês Jonathan Ayerst, que irá recorrer a improvisação e as obras do barroco alemão escritas por Bach e Buxtehude, e a 13 de julho o do português António Esteireiro, que selecionou para o efeito obras dos séculos XVII, XIX e XX assinadas por Nicolas de Grigny, César Franck e Marcel Dupré.
Jun
22
Sáb
45º Festival Internacional de Música de Espinho-FIME
Jun 22 todo o dia
45º Festival Internacional de Música de Espinho-FIME
45º Festival Internacional de Música de Espinho-FIME, arranca a 21 de junho, apresentando este ano artistas como o violinista David Grimal, o violoncelista Alexander Rudin, os pianistas Alexander Melnikov e Andreas Staier, e o Kronos Quartet.
Até 20 de julho, a Academia de Música de Espinho propõe assim para aquele que é um dos mais antigos festivais de música erudita do país um cartaz que, além de uma exposição com obras do pintor Mário Bismarck e uma oficina de voz jazz por Andreas Schaerer, integra um total de 16 concertos – entre os quais o que a 19 de julho celebrará o 50º aniversário da chegada do Homem à lua com um espetáculo por alunos da Escola Profissional de Música de Espinho sob a cúpula do planetário local.
Apostando num conjunto de “grandes intérpretes e criteriosas propostas programáticas”, a direção do FIME disponibiliza oito desses concertos a preços entre os quatro e oito euros, e os restantes terão entrada livre, como acontece com o que a 13 de julho levará ao exterior da Piscina Solário Atlântico o cantor e compositor brasileiro Marcos Valle e o que a 20 de julho apresentará na praça da Câmara Municipal o guitarrista Yamandú Costa, também do Brasil, com a Orquestra Clássica de Espinho.
O palco mais assíduo do FIME de 2019 será, no entanto, o Auditório da Academia, que, no arranque do festival, começa por receber o francês David Grimal. O programa desse concerto vai incidir sobre Brahms e Sarasate, com o violinista a conciliar o papel de solista com o de maestro, ao conduzir a Orquestra Clássica de Espinho por diferentes obras do Romantismo tardio.
22 de junho a mesma sala recebe os russos Alexander Rudin (violoncelo) e Alexander Melnikov (piano), para um espetáculo que também se inspira no período romântico e que apresentará obras de Rachmaninov, Chopin e Golowin. O concerto será precedido por uma palestra pelo musicólogo João Silva, que dará a conhecer a ligação entre Rachmaninov e Chopin.
Ainda em junho haverá quatro outras performances: no dia 27 a do Lisboa String Trio no jardim interior da Biblioteca Municipal José Marmelo e Silva, no dia 28 a da jovem violinista norte-americana Elicia Silverstein na Capela de Nossa Senhora da Ajuda, no dia 29 a do coletivo inglês ‘a capella’ The Gesualdo Six na Igreja Matriz de Espinho. No dia 30 a dos percussionistas portugueses Crassh no Auditório da Academia.
Os primeiros três desses concertos têm entrada livre, sendo que, devido à lotação dos espaços em causa, a direção do FIME recomenda levantamento prévio dos respetivos bilhetes.
programação de julho prossegue com o quarteto de cordas polaco MozART Group, que no dia 5 regressa ao Auditório de Espinho com uma prestação em torno da “malícia das cantigas medievais e dos vilancicos renascentistas”, e continua no dia 6 com um recital de pianoforte pelo alemão Andreas Staier, que para o efeito escolheu um repertório com fantasias, variações e sonatas de Mozart, Haydn e Bach.
No dia 8 estarão em destaque os músicos norte-americanos do Kronos Quartet, reconhecido pela forma como interpretam com instrumentos de cordas a obra de autores contemporâneos como Laurie Anderson, Philip Glass, John Coltrane e Steve Reich.
12 de julho o palco caberá ao já referido cantor suíço Andreas Schaerer, que se juntará ao acordeonista italiano Luciano Biondini e ao baterista camaronense Lucas Niggle para explorar “jazz fresco e inventivo”, e a 19 do mesmo mês, a cortina irá abrir-se para o Pérez, Potter,Cohen Quintet, que, reunindo músicos dos Estados Unidos, Panamá e Israel, empregará piano, saxofone-tenor, trompete e contrabaixo para materializar “composições originais inspiradas em mulheres escritoras”.
O cartaz do FIME de 2019 propõe ainda dois “concertos breves” por organistas, ambos na Igreja Matriz de Espinho: a 6 de julho o do inglês Jonathan Ayerst, que irá recorrer a improvisação e as obras do barroco alemão escritas por Bach e Buxtehude, e a 13 de julho o do português António Esteireiro, que selecionou para o efeito obras dos séculos XVII, XIX e XX assinadas por Nicolas de Grigny, César Franck e Marcel Dupré.
Jun
27
Qui
45º Festival Internacional de Música de Espinho-FIME
Jun 27 todo o dia
45º Festival Internacional de Música de Espinho-FIME
45º Festival Internacional de Música de Espinho-FIME, arranca a 21 de junho, apresentando este ano artistas como o violinista David Grimal, o violoncelista Alexander Rudin, os pianistas Alexander Melnikov e Andreas Staier, e o Kronos Quartet.
Até 20 de julho, a Academia de Música de Espinho propõe assim para aquele que é um dos mais antigos festivais de música erudita do país um cartaz que, além de uma exposição com obras do pintor Mário Bismarck e uma oficina de voz jazz por Andreas Schaerer, integra um total de 16 concertos – entre os quais o que a 19 de julho celebrará o 50º aniversário da chegada do Homem à lua com um espetáculo por alunos da Escola Profissional de Música de Espinho sob a cúpula do planetário local.
Apostando num conjunto de “grandes intérpretes e criteriosas propostas programáticas”, a direção do FIME disponibiliza oito desses concertos a preços entre os quatro e oito euros, e os restantes terão entrada livre, como acontece com o que a 13 de julho levará ao exterior da Piscina Solário Atlântico o cantor e compositor brasileiro Marcos Valle e o que a 20 de julho apresentará na praça da Câmara Municipal o guitarrista Yamandú Costa, também do Brasil, com a Orquestra Clássica de Espinho.
O palco mais assíduo do FIME de 2019 será, no entanto, o Auditório da Academia, que, no arranque do festival, começa por receber o francês David Grimal. O programa desse concerto vai incidir sobre Brahms e Sarasate, com o violinista a conciliar o papel de solista com o de maestro, ao conduzir a Orquestra Clássica de Espinho por diferentes obras do Romantismo tardio.
22 de junho a mesma sala recebe os russos Alexander Rudin (violoncelo) e Alexander Melnikov (piano), para um espetáculo que também se inspira no período romântico e que apresentará obras de Rachmaninov, Chopin e Golowin. O concerto será precedido por uma palestra pelo musicólogo João Silva, que dará a conhecer a ligação entre Rachmaninov e Chopin.
Ainda em junho haverá quatro outras performances: no dia 27 a do Lisboa String Trio no jardim interior da Biblioteca Municipal José Marmelo e Silva, no dia 28 a da jovem violinista norte-americana Elicia Silverstein na Capela de Nossa Senhora da Ajuda, no dia 29 a do coletivo inglês ‘a capella’ The Gesualdo Six na Igreja Matriz de Espinho. No dia 30 a dos percussionistas portugueses Crassh no Auditório da Academia.
Os primeiros três desses concertos têm entrada livre, sendo que, devido à lotação dos espaços em causa, a direção do FIME recomenda levantamento prévio dos respetivos bilhetes.
programação de julho prossegue com o quarteto de cordas polaco MozART Group, que no dia 5 regressa ao Auditório de Espinho com uma prestação em torno da “malícia das cantigas medievais e dos vilancicos renascentistas”, e continua no dia 6 com um recital de pianoforte pelo alemão Andreas Staier, que para o efeito escolheu um repertório com fantasias, variações e sonatas de Mozart, Haydn e Bach.
No dia 8 estarão em destaque os músicos norte-americanos do Kronos Quartet, reconhecido pela forma como interpretam com instrumentos de cordas a obra de autores contemporâneos como Laurie Anderson, Philip Glass, John Coltrane e Steve Reich.
12 de julho o palco caberá ao já referido cantor suíço Andreas Schaerer, que se juntará ao acordeonista italiano Luciano Biondini e ao baterista camaronense Lucas Niggle para explorar “jazz fresco e inventivo”, e a 19 do mesmo mês, a cortina irá abrir-se para o Pérez, Potter,Cohen Quintet, que, reunindo músicos dos Estados Unidos, Panamá e Israel, empregará piano, saxofone-tenor, trompete e contrabaixo para materializar “composições originais inspiradas em mulheres escritoras”.
O cartaz do FIME de 2019 propõe ainda dois “concertos breves” por organistas, ambos na Igreja Matriz de Espinho: a 6 de julho o do inglês Jonathan Ayerst, que irá recorrer a improvisação e as obras do barroco alemão escritas por Bach e Buxtehude, e a 13 de julho o do português António Esteireiro, que selecionou para o efeito obras dos séculos XVII, XIX e XX assinadas por Nicolas de Grigny, César Franck e Marcel Dupré.
Jun
28
Sex
45º Festival Internacional de Música de Espinho-FIME
Jun 28 todo o dia
45º Festival Internacional de Música de Espinho-FIME
45º Festival Internacional de Música de Espinho-FIME, arranca a 21 de junho, apresentando este ano artistas como o violinista David Grimal, o violoncelista Alexander Rudin, os pianistas Alexander Melnikov e Andreas Staier, e o Kronos Quartet.
Até 20 de julho, a Academia de Música de Espinho propõe assim para aquele que é um dos mais antigos festivais de música erudita do país um cartaz que, além de uma exposição com obras do pintor Mário Bismarck e uma oficina de voz jazz por Andreas Schaerer, integra um total de 16 concertos – entre os quais o que a 19 de julho celebrará o 50º aniversário da chegada do Homem à lua com um espetáculo por alunos da Escola Profissional de Música de Espinho sob a cúpula do planetário local.
Apostando num conjunto de “grandes intérpretes e criteriosas propostas programáticas”, a direção do FIME disponibiliza oito desses concertos a preços entre os quatro e oito euros, e os restantes terão entrada livre, como acontece com o que a 13 de julho levará ao exterior da Piscina Solário Atlântico o cantor e compositor brasileiro Marcos Valle e o que a 20 de julho apresentará na praça da Câmara Municipal o guitarrista Yamandú Costa, também do Brasil, com a Orquestra Clássica de Espinho.
O palco mais assíduo do FIME de 2019 será, no entanto, o Auditório da Academia, que, no arranque do festival, começa por receber o francês David Grimal. O programa desse concerto vai incidir sobre Brahms e Sarasate, com o violinista a conciliar o papel de solista com o de maestro, ao conduzir a Orquestra Clássica de Espinho por diferentes obras do Romantismo tardio.
22 de junho a mesma sala recebe os russos Alexander Rudin (violoncelo) e Alexander Melnikov (piano), para um espetáculo que também se inspira no período romântico e que apresentará obras de Rachmaninov, Chopin e Golowin. O concerto será precedido por uma palestra pelo musicólogo João Silva, que dará a conhecer a ligação entre Rachmaninov e Chopin.
Ainda em junho haverá quatro outras performances: no dia 27 a do Lisboa String Trio no jardim interior da Biblioteca Municipal José Marmelo e Silva, no dia 28 a da jovem violinista norte-americana Elicia Silverstein na Capela de Nossa Senhora da Ajuda, no dia 29 a do coletivo inglês ‘a capella’ The Gesualdo Six na Igreja Matriz de Espinho. No dia 30 a dos percussionistas portugueses Crassh no Auditório da Academia.
Os primeiros três desses concertos têm entrada livre, sendo que, devido à lotação dos espaços em causa, a direção do FIME recomenda levantamento prévio dos respetivos bilhetes.
programação de julho prossegue com o quarteto de cordas polaco MozART Group, que no dia 5 regressa ao Auditório de Espinho com uma prestação em torno da “malícia das cantigas medievais e dos vilancicos renascentistas”, e continua no dia 6 com um recital de pianoforte pelo alemão Andreas Staier, que para o efeito escolheu um repertório com fantasias, variações e sonatas de Mozart, Haydn e Bach.
No dia 8 estarão em destaque os músicos norte-americanos do Kronos Quartet, reconhecido pela forma como interpretam com instrumentos de cordas a obra de autores contemporâneos como Laurie Anderson, Philip Glass, John Coltrane e Steve Reich.
12 de julho o palco caberá ao já referido cantor suíço Andreas Schaerer, que se juntará ao acordeonista italiano Luciano Biondini e ao baterista camaronense Lucas Niggle para explorar “jazz fresco e inventivo”, e a 19 do mesmo mês, a cortina irá abrir-se para o Pérez, Potter,Cohen Quintet, que, reunindo músicos dos Estados Unidos, Panamá e Israel, empregará piano, saxofone-tenor, trompete e contrabaixo para materializar “composições originais inspiradas em mulheres escritoras”.
O cartaz do FIME de 2019 propõe ainda dois “concertos breves” por organistas, ambos na Igreja Matriz de Espinho: a 6 de julho o do inglês Jonathan Ayerst, que irá recorrer a improvisação e as obras do barroco alemão escritas por Bach e Buxtehude, e a 13 de julho o do português António Esteireiro, que selecionou para o efeito obras dos séculos XVII, XIX e XX assinadas por Nicolas de Grigny, César Franck e Marcel Dupré.
Jun
29
Sáb
45º Festival Internacional de Música de Espinho-FIME
Jun 29 todo o dia
45º Festival Internacional de Música de Espinho-FIME
45º Festival Internacional de Música de Espinho-FIME, arranca a 21 de junho, apresentando este ano artistas como o violinista David Grimal, o violoncelista Alexander Rudin, os pianistas Alexander Melnikov e Andreas Staier, e o Kronos Quartet.
Até 20 de julho, a Academia de Música de Espinho propõe assim para aquele que é um dos mais antigos festivais de música erudita do país um cartaz que, além de uma exposição com obras do pintor Mário Bismarck e uma oficina de voz jazz por Andreas Schaerer, integra um total de 16 concertos – entre os quais o que a 19 de julho celebrará o 50º aniversário da chegada do Homem à lua com um espetáculo por alunos da Escola Profissional de Música de Espinho sob a cúpula do planetário local.
Apostando num conjunto de “grandes intérpretes e criteriosas propostas programáticas”, a direção do FIME disponibiliza oito desses concertos a preços entre os quatro e oito euros, e os restantes terão entrada livre, como acontece com o que a 13 de julho levará ao exterior da Piscina Solário Atlântico o cantor e compositor brasileiro Marcos Valle e o que a 20 de julho apresentará na praça da Câmara Municipal o guitarrista Yamandú Costa, também do Brasil, com a Orquestra Clássica de Espinho.
O palco mais assíduo do FIME de 2019 será, no entanto, o Auditório da Academia, que, no arranque do festival, começa por receber o francês David Grimal. O programa desse concerto vai incidir sobre Brahms e Sarasate, com o violinista a conciliar o papel de solista com o de maestro, ao conduzir a Orquestra Clássica de Espinho por diferentes obras do Romantismo tardio.
22 de junho a mesma sala recebe os russos Alexander Rudin (violoncelo) e Alexander Melnikov (piano), para um espetáculo que também se inspira no período romântico e que apresentará obras de Rachmaninov, Chopin e Golowin. O concerto será precedido por uma palestra pelo musicólogo João Silva, que dará a conhecer a ligação entre Rachmaninov e Chopin.
Ainda em junho haverá quatro outras performances: no dia 27 a do Lisboa String Trio no jardim interior da Biblioteca Municipal José Marmelo e Silva, no dia 28 a da jovem violinista norte-americana Elicia Silverstein na Capela de Nossa Senhora da Ajuda, no dia 29 a do coletivo inglês ‘a capella’ The Gesualdo Six na Igreja Matriz de Espinho. No dia 30 a dos percussionistas portugueses Crassh no Auditório da Academia.
Os primeiros três desses concertos têm entrada livre, sendo que, devido à lotação dos espaços em causa, a direção do FIME recomenda levantamento prévio dos respetivos bilhetes.
programação de julho prossegue com o quarteto de cordas polaco MozART Group, que no dia 5 regressa ao Auditório de Espinho com uma prestação em torno da “malícia das cantigas medievais e dos vilancicos renascentistas”, e continua no dia 6 com um recital de pianoforte pelo alemão Andreas Staier, que para o efeito escolheu um repertório com fantasias, variações e sonatas de Mozart, Haydn e Bach.
No dia 8 estarão em destaque os músicos norte-americanos do Kronos Quartet, reconhecido pela forma como interpretam com instrumentos de cordas a obra de autores contemporâneos como Laurie Anderson, Philip Glass, John Coltrane e Steve Reich.
12 de julho o palco caberá ao já referido cantor suíço Andreas Schaerer, que se juntará ao acordeonista italiano Luciano Biondini e ao baterista camaronense Lucas Niggle para explorar “jazz fresco e inventivo”, e a 19 do mesmo mês, a cortina irá abrir-se para o Pérez, Potter,Cohen Quintet, que, reunindo músicos dos Estados Unidos, Panamá e Israel, empregará piano, saxofone-tenor, trompete e contrabaixo para materializar “composições originais inspiradas em mulheres escritoras”.
O cartaz do FIME de 2019 propõe ainda dois “concertos breves” por organistas, ambos na Igreja Matriz de Espinho: a 6 de julho o do inglês Jonathan Ayerst, que irá recorrer a improvisação e as obras do barroco alemão escritas por Bach e Buxtehude, e a 13 de julho o do português António Esteireiro, que selecionou para o efeito obras dos séculos XVII, XIX e XX assinadas por Nicolas de Grigny, César Franck e Marcel Dupré.
Castro de Ovil e “Espaço Verdes e Vivos”
Jun 29 todo o dia
Castro de Ovil e “Espaço Verdes e Vivos”
Castro de Ovil e “Espaço Verdes e Vivos”
Visita de campo e sessão de apresentação de livro
No dia 29 de junho a Campo Aberto Associação de Defesa do Ambiente e a Câmara Municipal de Espinho vão levar a cabo um dia, manhã e tarde, dedicado à promoção do Castro de Ovil e do livro “Espaços Verdes e Vivos – Um Futuro para a Área Metropolitana do Porto”, edição da Campo Aberto. Participar numa das atividades não implica ter de participar na outra, mas ambas são completares.
Um dia que começa pela manhã em plena natureza para conhecer no local, pela voz autorizada do arqueólogo Jorge Salvador, um sítio arqueológico de Espinho e, da parte da tarde, participar no lançamento de um livro sobre espaço verdes da Área Metropolitana do Porto.
9h15 – Visita ao Castro de Ovil orientada pelo Dr. Jorge Salvador, Arqueólogo.
(agrupamento dos participantes junto às bilheteiras da Estação da CP, em Espinho)
Inscrição para: : atividadesca@gmail.com  Indicar o nome completo e a data de nascimento (dia-mês-ano) para efeitos de seguro coletivo contratado pela associação, e o email e o telefone de contacto para cada pessoa a inscrever.
Deslocações: serão feitas no sistema de boleias partilhadas. Indicar, por isso, ao inscrever-se se dispõe de vagas em carro próprio ou se precisa de vaga em boleia. A visita será orientada pelo Dr. Jorge Salvador, Arqueólogo.
15h00 – Apresentação, seguida de debate, do livro “Espaços Verdes e Vivos – um futuro para a Área Metropolitana do Porto”, editado pela Campo Aberto.
Local: Auditório do Museu Municipal de Espinho

Cooperativa Nascente, sempre atenta às iniciativas de caráter cultural e ambiental que se fazem em Espinho,  colabora com aquelas entidades, na divulgação de ambos os eventos.

Jun
30
Dom
45º Festival Internacional de Música de Espinho-FIME
Jun 30 todo o dia
45º Festival Internacional de Música de Espinho-FIME
45º Festival Internacional de Música de Espinho-FIME, arranca a 21 de junho, apresentando este ano artistas como o violinista David Grimal, o violoncelista Alexander Rudin, os pianistas Alexander Melnikov e Andreas Staier, e o Kronos Quartet.
Até 20 de julho, a Academia de Música de Espinho propõe assim para aquele que é um dos mais antigos festivais de música erudita do país um cartaz que, além de uma exposição com obras do pintor Mário Bismarck e uma oficina de voz jazz por Andreas Schaerer, integra um total de 16 concertos – entre os quais o que a 19 de julho celebrará o 50º aniversário da chegada do Homem à lua com um espetáculo por alunos da Escola Profissional de Música de Espinho sob a cúpula do planetário local.
Apostando num conjunto de “grandes intérpretes e criteriosas propostas programáticas”, a direção do FIME disponibiliza oito desses concertos a preços entre os quatro e oito euros, e os restantes terão entrada livre, como acontece com o que a 13 de julho levará ao exterior da Piscina Solário Atlântico o cantor e compositor brasileiro Marcos Valle e o que a 20 de julho apresentará na praça da Câmara Municipal o guitarrista Yamandú Costa, também do Brasil, com a Orquestra Clássica de Espinho.
O palco mais assíduo do FIME de 2019 será, no entanto, o Auditório da Academia, que, no arranque do festival, começa por receber o francês David Grimal. O programa desse concerto vai incidir sobre Brahms e Sarasate, com o violinista a conciliar o papel de solista com o de maestro, ao conduzir a Orquestra Clássica de Espinho por diferentes obras do Romantismo tardio.
22 de junho a mesma sala recebe os russos Alexander Rudin (violoncelo) e Alexander Melnikov (piano), para um espetáculo que também se inspira no período romântico e que apresentará obras de Rachmaninov, Chopin e Golowin. O concerto será precedido por uma palestra pelo musicólogo João Silva, que dará a conhecer a ligação entre Rachmaninov e Chopin.
Ainda em junho haverá quatro outras performances: no dia 27 a do Lisboa String Trio no jardim interior da Biblioteca Municipal José Marmelo e Silva, no dia 28 a da jovem violinista norte-americana Elicia Silverstein na Capela de Nossa Senhora da Ajuda, no dia 29 a do coletivo inglês ‘a capella’ The Gesualdo Six na Igreja Matriz de Espinho. No dia 30 a dos percussionistas portugueses Crassh no Auditório da Academia.
Os primeiros três desses concertos têm entrada livre, sendo que, devido à lotação dos espaços em causa, a direção do FIME recomenda levantamento prévio dos respetivos bilhetes.
programação de julho prossegue com o quarteto de cordas polaco MozART Group, que no dia 5 regressa ao Auditório de Espinho com uma prestação em torno da “malícia das cantigas medievais e dos vilancicos renascentistas”, e continua no dia 6 com um recital de pianoforte pelo alemão Andreas Staier, que para o efeito escolheu um repertório com fantasias, variações e sonatas de Mozart, Haydn e Bach.
No dia 8 estarão em destaque os músicos norte-americanos do Kronos Quartet, reconhecido pela forma como interpretam com instrumentos de cordas a obra de autores contemporâneos como Laurie Anderson, Philip Glass, John Coltrane e Steve Reich.
12 de julho o palco caberá ao já referido cantor suíço Andreas Schaerer, que se juntará ao acordeonista italiano Luciano Biondini e ao baterista camaronense Lucas Niggle para explorar “jazz fresco e inventivo”, e a 19 do mesmo mês, a cortina irá abrir-se para o Pérez, Potter,Cohen Quintet, que, reunindo músicos dos Estados Unidos, Panamá e Israel, empregará piano, saxofone-tenor, trompete e contrabaixo para materializar “composições originais inspiradas em mulheres escritoras”.
O cartaz do FIME de 2019 propõe ainda dois “concertos breves” por organistas, ambos na Igreja Matriz de Espinho: a 6 de julho o do inglês Jonathan Ayerst, que irá recorrer a improvisação e as obras do barroco alemão escritas por Bach e Buxtehude, e a 13 de julho o do português António Esteireiro, que selecionou para o efeito obras dos séculos XVII, XIX e XX assinadas por Nicolas de Grigny, César Franck e Marcel Dupré.
Jul
1
Seg
Programa Bandeira Azul 2019 – Do Rio ao Mar sem Lixo
Jul 1 – Ago 28 todo o dia
Programa Bandeira Azul 2019 – Do Rio ao Mar sem Lixo

8 Julho a 28 Agosto

Programa Bandeira Azul 2019 – Do Rio ao Mar sem Lixo

Jul
2
Ter
Atividades ambientais e da natureza pela Nascente
Jul 2 todo o dia
Atividades ambientais e da natureza pela Nascente

Em julho, a programação da Nascente será reduzida e essencialmente voltada para aspetos ambientais e da natureza, com nada menos de três propostas.

Nos DIAS 2 e 4, a oficina de montagem de um herbário de folhas, inicialmente prevista para este mês, e destinada a crianças de 9 a 11 anos.

No dia 13, SÁBADO, de manhã, uma ação de descoberta da flora dunar da Lagoa de Paramos e de limpeza das dunas.

E na QUINTA-FEIRA 25, uma oficina de alfazema, para execução de cestinhos e fusos aromáticos. Todas estas atividades terão orientação da professorra Dalila Reis e as inscrições estão abertas.

Jul
4
Qui
Atividades ambientais e da natureza pela Nascente
Jul 4 todo o dia
Atividades ambientais e da natureza pela Nascente

Em julho, a programação da Nascente será reduzida e essencialmente voltada para aspetos ambientais e da natureza, com nada menos de três propostas.

Nos DIAS 2 e 4, a oficina de montagem de um herbário de folhas, inicialmente prevista para este mês, e destinada a crianças de 9 a 11 anos.

No dia 13, SÁBADO, de manhã, uma ação de descoberta da flora dunar da Lagoa de Paramos e de limpeza das dunas.

E na QUINTA-FEIRA 25, uma oficina de alfazema, para execução de cestinhos e fusos aromáticos. Todas estas atividades terão orientação da professorra Dalila Reis e as inscrições estão abertas.

Jul
5
Sex
45º Festival Internacional de Música de Espinho-FIME
Jul 5 todo o dia
45º Festival Internacional de Música de Espinho-FIME
45º Festival Internacional de Música de Espinho-FIME, arranca a 21 de junho, apresentando este ano artistas como o violinista David Grimal, o violoncelista Alexander Rudin, os pianistas Alexander Melnikov e Andreas Staier, e o Kronos Quartet.
Até 20 de julho, a Academia de Música de Espinho propõe assim para aquele que é um dos mais antigos festivais de música erudita do país um cartaz que, além de uma exposição com obras do pintor Mário Bismarck e uma oficina de voz jazz por Andreas Schaerer, integra um total de 16 concertos – entre os quais o que a 19 de julho celebrará o 50º aniversário da chegada do Homem à lua com um espetáculo por alunos da Escola Profissional de Música de Espinho sob a cúpula do planetário local.
Apostando num conjunto de “grandes intérpretes e criteriosas propostas programáticas”, a direção do FIME disponibiliza oito desses concertos a preços entre os quatro e oito euros, e os restantes terão entrada livre, como acontece com o que a 13 de julho levará ao exterior da Piscina Solário Atlântico o cantor e compositor brasileiro Marcos Valle e o que a 20 de julho apresentará na praça da Câmara Municipal o guitarrista Yamandú Costa, também do Brasil, com a Orquestra Clássica de Espinho.
O palco mais assíduo do FIME de 2019 será, no entanto, o Auditório da Academia, que, no arranque do festival, começa por receber o francês David Grimal. O programa desse concerto vai incidir sobre Brahms e Sarasate, com o violinista a conciliar o papel de solista com o de maestro, ao conduzir a Orquestra Clássica de Espinho por diferentes obras do Romantismo tardio.
22 de junho a mesma sala recebe os russos Alexander Rudin (violoncelo) e Alexander Melnikov (piano), para um espetáculo que também se inspira no período romântico e que apresentará obras de Rachmaninov, Chopin e Golowin. O concerto será precedido por uma palestra pelo musicólogo João Silva, que dará a conhecer a ligação entre Rachmaninov e Chopin.
Ainda em junho haverá quatro outras performances: no dia 27 a do Lisboa String Trio no jardim interior da Biblioteca Municipal José Marmelo e Silva, no dia 28 a da jovem violinista norte-americana Elicia Silverstein na Capela de Nossa Senhora da Ajuda, no dia 29 a do coletivo inglês ‘a capella’ The Gesualdo Six na Igreja Matriz de Espinho. No dia 30 a dos percussionistas portugueses Crassh no Auditório da Academia.
Os primeiros três desses concertos têm entrada livre, sendo que, devido à lotação dos espaços em causa, a direção do FIME recomenda levantamento prévio dos respetivos bilhetes.
programação de julho prossegue com o quarteto de cordas polaco MozART Group, que no dia 5 regressa ao Auditório de Espinho com uma prestação em torno da “malícia das cantigas medievais e dos vilancicos renascentistas”, e continua no dia 6 com um recital de pianoforte pelo alemão Andreas Staier, que para o efeito escolheu um repertório com fantasias, variações e sonatas de Mozart, Haydn e Bach.
No dia 8 estarão em destaque os músicos norte-americanos do Kronos Quartet, reconhecido pela forma como interpretam com instrumentos de cordas a obra de autores contemporâneos como Laurie Anderson, Philip Glass, John Coltrane e Steve Reich.
12 de julho o palco caberá ao já referido cantor suíço Andreas Schaerer, que se juntará ao acordeonista italiano Luciano Biondini e ao baterista camaronense Lucas Niggle para explorar “jazz fresco e inventivo”, e a 19 do mesmo mês, a cortina irá abrir-se para o Pérez, Potter,Cohen Quintet, que, reunindo músicos dos Estados Unidos, Panamá e Israel, empregará piano, saxofone-tenor, trompete e contrabaixo para materializar “composições originais inspiradas em mulheres escritoras”.
O cartaz do FIME de 2019 propõe ainda dois “concertos breves” por organistas, ambos na Igreja Matriz de Espinho: a 6 de julho o do inglês Jonathan Ayerst, que irá recorrer a improvisação e as obras do barroco alemão escritas por Bach e Buxtehude, e a 13 de julho o do português António Esteireiro, que selecionou para o efeito obras dos séculos XVII, XIX e XX assinadas por Nicolas de Grigny, César Franck e Marcel Dupré.
Exposição de Pintura e Fotografia do Núcleo Recreativo e Cultural do Sindicato dos Bancários do Norte
Jul 5 @ 17:00 – 19:00

5 a 28 de Julho
Galeria de Exposições

Organização: Sociedade de Bancários do Norte
Inauguração no dia 5 de Julho, pelas 17h00.

Exposição Colectiva de Pintura “Trajectos de Cor”.
Mais de 60 obras reunidas das quatro turmas de Pintura do SBN, onde predomina a paisagem, o figurativo e o abstracto, interpretados por cada autor e é o resultado de mais um ano de criatividade e trabalho. As técnicas utilizadas são pinturas a óleo, a acrílico e mista.

Autores Alcina Lemos, Alcina Sanches, Amália Guedes, Ana Rocha, Ana Sigalho, Cidália Cardoso, António Vieira, Conceição Marques, Elvira Bessa, Emília Duarte, Fátima Sousa, Iolanda Enes, Irene Alvarenga, Joaquina Sousa, Joaquim Encarnação, José Rocha, Leonor Serrano, Lumar, Manuel Gomes, Maria Bernardete Gonçalves, Maria de Lurdes Matos, Maria Gil, Maria Manuela Abraão, Maria Otília Cardoso, Margarida Rodrigues, Maria Peixoto, Manuel Vale, Minó, Mónica Pinto, Odete Casais, Rosa Alice Reis, Rosa Maria Pinto, Tátá e Vieira.

Exposição de Fotografia 
Mostra de 9 autores associados do SBN, de temas diversos e pluralidade de olhares, movidos pelo fascínio da arte fotográfica.
Podemos observar trabalhos de temáticas diferentes, que vão desde paisagens, reflexos na água, macros, fotos de interiores, passando por imagens obtidas em ambiente de luz ultravioleta.

Autores: Aires Araújo Pereira, António Eurico Morais, Eduardo Nogueira, Fernando Mário Castro, José Cerqueira, José Godinho, Júlio Pereira, Manuel Santos Vale e Rui Manuel Costa.

Entrada Livre

Horário de funcionamento
Segunda-feira: Encerrado
Terça a Quinta-Feira: 09:30-18:30
Sexta-feira: 09:30-18:30 / 21:00-22:00
Sábado, Domingo e Feriados: 14:00-19:00 / 21:00-22:00

Jul
6
Sáb
16º Aniversário da Elevação de Silvalde a Vila – 2019
Jul 6 todo o dia
16º Aniversário da Elevação de Silvalde a Vila - 2019

16º Aniversário da Elevação de Silvalde a Vila – 2019

6 a 27 Julho

PROGRAMA

6 Julho

21:30 – Porto de Honra

22:00 – Sessão Solene Comemorativa no Salão Nobre

7 Julho

11:00 – Missa Solene

12:00 – Romagem ao Cemitério

19 a 22 Julho – Tasquinhas de S. Tiago de Silvalde

27 Julho

21:00 – Apresentação do 2º livro da trilogia bilingue para juvenis

22:00 – Poesia e Fados

45º Festival Internacional de Música de Espinho-FIME
Jul 6 todo o dia
45º Festival Internacional de Música de Espinho-FIME
45º Festival Internacional de Música de Espinho-FIME, arranca a 21 de junho, apresentando este ano artistas como o violinista David Grimal, o violoncelista Alexander Rudin, os pianistas Alexander Melnikov e Andreas Staier, e o Kronos Quartet.
Até 20 de julho, a Academia de Música de Espinho propõe assim para aquele que é um dos mais antigos festivais de música erudita do país um cartaz que, além de uma exposição com obras do pintor Mário Bismarck e uma oficina de voz jazz por Andreas Schaerer, integra um total de 16 concertos – entre os quais o que a 19 de julho celebrará o 50º aniversário da chegada do Homem à lua com um espetáculo por alunos da Escola Profissional de Música de Espinho sob a cúpula do planetário local.
Apostando num conjunto de “grandes intérpretes e criteriosas propostas programáticas”, a direção do FIME disponibiliza oito desses concertos a preços entre os quatro e oito euros, e os restantes terão entrada livre, como acontece com o que a 13 de julho levará ao exterior da Piscina Solário Atlântico o cantor e compositor brasileiro Marcos Valle e o que a 20 de julho apresentará na praça da Câmara Municipal o guitarrista Yamandú Costa, também do Brasil, com a Orquestra Clássica de Espinho.
O palco mais assíduo do FIME de 2019 será, no entanto, o Auditório da Academia, que, no arranque do festival, começa por receber o francês David Grimal. O programa desse concerto vai incidir sobre Brahms e Sarasate, com o violinista a conciliar o papel de solista com o de maestro, ao conduzir a Orquestra Clássica de Espinho por diferentes obras do Romantismo tardio.
22 de junho a mesma sala recebe os russos Alexander Rudin (violoncelo) e Alexander Melnikov (piano), para um espetáculo que também se inspira no período romântico e que apresentará obras de Rachmaninov, Chopin e Golowin. O concerto será precedido por uma palestra pelo musicólogo João Silva, que dará a conhecer a ligação entre Rachmaninov e Chopin.
Ainda em junho haverá quatro outras performances: no dia 27 a do Lisboa String Trio no jardim interior da Biblioteca Municipal José Marmelo e Silva, no dia 28 a da jovem violinista norte-americana Elicia Silverstein na Capela de Nossa Senhora da Ajuda, no dia 29 a do coletivo inglês ‘a capella’ The Gesualdo Six na Igreja Matriz de Espinho. No dia 30 a dos percussionistas portugueses Crassh no Auditório da Academia.
Os primeiros três desses concertos têm entrada livre, sendo que, devido à lotação dos espaços em causa, a direção do FIME recomenda levantamento prévio dos respetivos bilhetes.
programação de julho prossegue com o quarteto de cordas polaco MozART Group, que no dia 5 regressa ao Auditório de Espinho com uma prestação em torno da “malícia das cantigas medievais e dos vilancicos renascentistas”, e continua no dia 6 com um recital de pianoforte pelo alemão Andreas Staier, que para o efeito escolheu um repertório com fantasias, variações e sonatas de Mozart, Haydn e Bach.
No dia 8 estarão em destaque os músicos norte-americanos do Kronos Quartet, reconhecido pela forma como interpretam com instrumentos de cordas a obra de autores contemporâneos como Laurie Anderson, Philip Glass, John Coltrane e Steve Reich.
12 de julho o palco caberá ao já referido cantor suíço Andreas Schaerer, que se juntará ao acordeonista italiano Luciano Biondini e ao baterista camaronense Lucas Niggle para explorar “jazz fresco e inventivo”, e a 19 do mesmo mês, a cortina irá abrir-se para o Pérez, Potter,Cohen Quintet, que, reunindo músicos dos Estados Unidos, Panamá e Israel, empregará piano, saxofone-tenor, trompete e contrabaixo para materializar “composições originais inspiradas em mulheres escritoras”.
O cartaz do FIME de 2019 propõe ainda dois “concertos breves” por organistas, ambos na Igreja Matriz de Espinho: a 6 de julho o do inglês Jonathan Ayerst, que irá recorrer a improvisação e as obras do barroco alemão escritas por Bach e Buxtehude, e a 13 de julho o do português António Esteireiro, que selecionou para o efeito obras dos séculos XVII, XIX e XX assinadas por Nicolas de Grigny, César Franck e Marcel Dupré.
XXIX Festa de Folclore Semente/2019
Jul 6 todo o dia
XXIX Festa de Folclore Semente/2019

6 Julho | XXIX Festa de Folclore Semente/2019

17h30 – Chegada dos Grupos/Ranchos ao Largo do Souto da Vila de Anta;

18h00  – Receção aos Grupos na Junta de Freguesia de Anta e Guetim com sessão solene e entrega de lembranças;

19h00 – Jantar convívio no restaurante do Centro Lusovenezolano;

21h00 – Atuação do Grupo de Fados da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto;

22h00 – Início da Festa de Folclore, no parque do Paranho, em Guetim, com os seguintes Grupos:

  • Grupo Cultural e Recreativo Semente – Anta – Douro Litoral Sul
  • Grupo Folclórico da Região de Arganil – Coimbra – Beira Litoral – Gândara, Bairrada e Mondego
  • Rancho Folclórico de Pias – Cinfães – Trás-os-Montes e Alto Douro

23h30 – Encerramento da Festa de Folclore Semente/2019.

 

Parque do Paranho em Guetim, inserido no Guetim em Festa 2019