Agrupamento Gomes de Almeida ‘no limite’ da ciência e da matemática na Roménia

Alunos e professores do Agrupamento Dr. Manuel Gomes de Almeida marcaram presença na segunda mobilidade do projecto Erasmus+ “On the edge”, entre os dias 23 de Fevereiro e 1 Março, na Roménia.

A segunda mobilidade do projecto Erasmus+ do AEMGA, “On the edge” (no limite numa tradução livre), teve lugar em Vulcan, na Roménia entre os dias 23 de Fevereiro e 1 de Março. Alunos e professores dos seis países parceiros (Portugal, Roménia, Polónia, Alemanha, Finlândia e Grécia) trabalharam os subtemas Ciência e Matemática. Com uma média de idades a rondar os 12 anos, os alunos foram distribuídos em equipas internacionais, tendo resolvido problemas matemáticos em conjunto, bem como realizado inúmeras experiências no campo da Física e da Química. Este trabalho foi contextualizado com visitas às estações de captura e tratamento de águas da cidade e aos departamentos de mineralogia, robótica e tecnologia da Universidade de Petrosani.

Da agenda constavam ainda aliciantes experiências de cariz cultural quer para alunos quer para professores, tais como a visita ao resort Straja Mountain, uma estância turística com actividades de diversão na neve, cujo acesso foi gentil e gratuitamente cedido pela câmara municipal de Vulcan, as visitas guiadas ao museu da civilização dácia e romana de Deva, à citadela real de Deva, uma fortaleza do séc. XIII no cimo de uma montanha, e ainda ao Castelo Corvin, um castelo em Hunedoara e um dos mais bonitos e bem preservados castelos de arquitectura gótica da Europa.

 

O que dizem os professores

Adrien Santos, professor de Física-Química que acompanhou os alunos a Vulcan, na Roménia, referiu que “as actividades relacionadas com a Matemática e as Ciências foram ao encontro das aprendizagens significativas desenvolvidas pelos alunos. Deste modo, puderam rever ou descobrir novas aplicações das ciências, abrindo horizontes e contribuindo para o desenvolvimento de um espírito mais livre e menos preconceituoso. Puderam ainda reconhecer que as linguagens da Matemática e da Ciência são, de facto, universais e que despertam o gosto de outras culturas, com as quais é possível comunicar em harmonia.”

“As famílias onde os nossos alunos ficaram alojados trataram-nos como seus filhos, foram incansáveis!”, afirmou Manuela Correia, coordenadora-geral do projecto. “Sentimo-nos sempre em casa, fomos muito bem recebidos! Foi uma semana muito bem planeada com actividades muito interessantes e variadas. Experiências como esta são muito ricas e inesquecíveis, tanto para alunos como para professores. Proporcionam-nos oportunidades de trocar ideias e alargar os nossos conhecimentos, conhecer outras culturas e fazer amigos. Se queremos uma Europa mais unida e coesa, este é o caminho.”

 

A opinião dos alunos

Quando questionado sobre a sua participação nesta viagem, Afonso Costa, aluno do 7º3 deste agrupamento, referiu que “foi uma experiência muito enriquecedora. Gostei muito de conhecer um país diferente, pessoas de várias nacionalidades e de ter visto neve pela primeira vez. Estou muito orgulhoso por ter viajado pela primeira vez sem meus pais. Aprendi a trabalhar em grupo com colegas de diferentes nacionalidades, vi coisas que aprendi na escola na prática e aprendi a comunicar com pessoas de outros países. Adorei a experiência e voltava a repeti-la!”

Por sua vez, Henrique Bastos, aluno do 6ºB, disse que “foi uma experiência muito importante para ganhar autonomia, conhecer outros países e culturas.”

Já Heitor Pinho, aluno do 7º5, afirmou que “estar na Roménia, como aluno participante do projecto Erasmus+ “On the edge”, foi uma experiência inesquecível, em termos de aprendizagem e de enriquecimento pessoal. Aprendi muitas coisas de formas pouco habituais. Adorei ter ido à universidade! Senti-me bem recebido neste país e toda a partilha aproximou-me de um povo com que nunca tinha contactado directamente.” Diz-se também orgulhoso da relação que manteve com os colegas e professores.

 

O que pensam os pais

Os pais do Afonso, um dos três alunos que integraram a delegação do AEMGA, afirmaram que “inicialmente, a ideia de o ‘lançar’ numa viagem sem a nossa presença… foi complicado. No entanto, penso que tomámos a decisão acertada ao permitir-lhe entrar nessa aventura sozinho. Foi bom para nós sentirmos que ele fortaleceu o seu sentido de auto-confianca e de independência.”

Para os pais do Henrique “foi importante para comprovarmos as capacidades do nosso filho. Também sentimos a importância desta viagem na aprendizagem da língua estrangeira, o inglês.”

Por sua vez, os pais do Heitor são de opinião que “este tipo de experiência configura uma oportunidade de ingresso dos filhos no mundo de exigências globais a que pertencem, a oportunidade de aprender em contextos diversos da sala de aula tradicional. Há também o sentimento de que a Europa se constrói verdadeiramente neste intercâmbio fraterno entre os povos, representados em famílias que abrem os seus lares para acolher.”

 

Na agenda

Em maio de 2019, o projecto “On the edge” ruma à Polónia para estudar o Ambiente e a Biologia. No ano lectivo seguinte, desloca-se à Alemanha para trabalhar os subtemas Tecnologia e Desporto (Novembro de 2019), segue para a Finlândia (Fevereiro de 2020) para observar de perto a Cultura e Natureza finlandesas e termina na Grécia, em Maio de 2020, na ilha de Creta, onde irá celebrar a Herança Cultural Europeia, com toda a sua diversidade de tradições e línguas.

Artigos Relacionados