Agrupamento Gomes de Almeida ‘no limite’ do desporto e da tecnologia na Alemanha

Agrupamento Gomes de Almeida  ‘no limite’ do desporto e da tecnologia na Alemanha
McDonalds_530x80_baixonoticia

Desporto e Tecnologia estiveram no menu da 4ª mobilidade do projecto Erasmus+ “On the edge”. Alunos e professores do Agrupamento Dr. Manuel Gomes de Almeida trabalharam estas temáticas em conjunto com os seus pares, em Walsrode na Alemanha, entre os dias 4 e 7 de Novembro.

O pontapé de saída do segundo ano do projecto Erasmus+ do AEMGA, “On the edge” (no limite numa tradução livre), foi dado na Alemanha. Entre os dias 4 e 7 de Novembro, a delegação do Agrupamento de Escolas Dr. Manuel Gomes de Almeida deslocou-se a Walsrode, uma pequena cidade no centro norte da Alemanha, junto a Hannover, para trabalhar os subtemas Desporto e Tecnologia. Juntaram-se a eles alunos e professores dos outros cinco países parceiros (Roménia, Polónia, Alemanha, Finlândia e Grécia) Os alunos, com idades compreendidas entre os 10 e os 12 anos, ficaram alojados em casa de famílias alemãs e foram organizados em equipas internacionais, com apenas um elemento de cada país, para assim colaborarem e resolverem problemas em conjunto.

A semana dividiu-se entre actividades relacionadas com o desporto e a tecnologia e outras de cariz cultural. De destacar a visita à Universidade de Hannover onde os alunos de cada país visitante, juntamente com o seu par alemão, criaram um jogo no Scratch, uma linguagem de programação bastante simples e apelativa. Ao longo de toda a semana, estes jovens experimentaram igualmente várias modalidades desportivas, tais como a patinagem no gelo e o bowling. Puderam ainda praticar parkour, uma actividade física bastante exigente que consiste na superação de uma série de obstáculos colocados num recinto desportivo. Originalmente este ‘desporto’ começou nas ruas das cidades. Contudo, actualmente, apesar das competições serem realizadas em espaços públicos e nas cidades, a preparação dos atletas faz-se em recintos desportivos com condições de segurança adequadas à modalidade.

Teresa Leandro, professora de Educação Física, presidente do Conselho Geral do AEMGA e uma das duas professoras que acompanharam os alunos nesta viagem à Alemanha, refere que “no âmbito desportivo, os nossos alunos tiveram a oportunidade de experienciar actividades diferentes das realizadas habitualmente na escola, sendo colocadas em evidência as competências essenciais à prática desportiva, tais como a superação (de medos, receios, dificuldades, etc.), e o envolvimento colectivo e interajuda (apoio aos colegas nas aprendizagens da patinagem, por exemplo)”. Afirma ainda que “do ponto de vista pessoal e enquanto profissional do desporto, a troca de experiências com os colegas de Educação Física dos países parceiros possibilitou um alargar do conhecimento da realidade de cada um e do que se faz nesta área em cada um dos países. Foi com satisfação que percebemos que, apesar de algumas diferenças, sobretudo ao nível das condições de trabalho, a prática desportiva dos nossos jovens nas nossas escolas equipara-se às dos jovens dos outros países.”

Um dos objectivos do Programa Erasmus+ é o enriquecimento cultural dos seus participantes. Daí constarem igualmente do programa da quarta mobilidade do projecto “On the edge” momentos culturais, tais como a visita à cidade de Bremen, assim como ao museu e ao estádio do Werder Bremen.

Para melhor ficarem a conhecer a forma de viver dos seus pares, os alunos são acolhidos em casa de famílias do país anfitrião. “Todo o projecto foi desenhado para expor os alunos aos seus limites. Queremos que eles consigam superar as dificuldades que viagens deste género acarretam, como por exemplo, serem capazes de ultrapassar a barreira da língua, o desconforto de ficarem com uma família que não a deles, e ainda saberem lidar com horários, comida e formas de viver completamente diferentes daquelas a que estão habituados”, afirmou Manuela Correia, coordenadora-geral do “On the edge” que também acompanhou os alunos à Alemanha.

“Este projecto permite que os alunos cresçam como indivíduos, numa sociedade cada vez mais multicultural. É uma experiência para a vida”, refere Cláudia Marques, mãe de um dos alunos que integrou a delegação portuguesa do AEMGA. Ana Domingues, outra das mães de uma aluna da comitiva, diz que “partilhar o quotidiano com as famílias estrangeiras é uma grande oportunidade de conhecer novas pessoas e as suas culturas, e também de partilhar experiências.” Ana Bela Guimarães afirma, por seu turno, que “para mim, como mãe, foi um tempo de aprendizagem de como será um dia, quando realmente eles ‘voarem’. Como diz o povo, os filhos não são nossos, são do mundo!” E acrescenta: “Para o meu filho foi uma experiência encantadora, pois conheceu outra realidade em toda a sua extensão, tanto a nível escolar como familiar. Estou certa que iremos ver os benefícios que esta experiência trouxe para toda a família num futuro próximo.”

Para os alunos este foi também um momento de crescimento. “Acho que a viagem nos fez crescer e aprender a ser pessoas novas”, explica a Maria Francisca Domingues (6º2), de apenas 10 anos. Por seu lado, o Francisco Oliveira (7ºB) diz: “Aprendi a comunicar melhor em Inglês. Esta viagem também me ajudou a socializar mais facilmente com pessoas totalmente desconhecidas.”

“Outro dos pilares deste projecto é a comunicação entre povos”, refere ainda Teresa Leandro. “Neste sentido, as dificuldades da língua são sem dúvida uma barreira. Contudo, este foi também um salto no meu crescimento pessoal, uma vez que o Inglês, língua utilizada na comunicação entre todos, não é o meu ponto forte. Mas como diz o ditado ‘a necessidade aguça o engenho’, pelo que este intercâmbio foi um grande contributo no que diz respeito ao comunicar em Inglês. Acredito, aliás, que foi um ganho para todos os envolvidos!”

Quando questionada sobre o trabalho que uma deslocação destas implica, Manuela Correia refere que “planear um projecto desta envergadura é certamente um processo muito exigente. Preparar e participar numa viagem deste género tem tanto de aliciante como de desgastante. Mas tudo vale a pena quando vemos tudo aquilo que pensámos passar do papel à acção e, sobretudo, quando vemos o brilho nos olhos dos nossos alunos e verificamos que estão a tornar-se mais desenvoltos a cada dia que passa.”

“On the edge” vai rumar à Finlândia já em Fevereiro de 2020 para observar de perto a Cultura e Natureza finlandesas e irá terminar na Grécia, em Maio de 2020, na ilha de Creta, onde os participantes irão celebrar a Herança Cultural Europeia, em toda a sua diversidade de tradições e línguas.

Artigos Relacionados