Inaugurada 5ª Bienal Internacional de Artes de Espinho

McDonalds_530x80_baixonoticia
McDonalds_530x80_baixonoticia

Inauguração do passado 25 de abril entregou os prémios aos autores cujas obras foram destacadas pelo júri da bienal

Decorreu no passado dia 25 de abril a abertura da 5ª Bienal Internacional de Arte de Espinho.
A cerimónia contou com a presença do presidente da Câmara Municipal de Espinho, Dr Pinto Moreira, do júri constituído pela Professora Doutora Maria José Goulão, Professor Doutor Luís Fortunato Lima, ambos da Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto, da artista e ceramista Yola Vale, e do Arquiteto Nuno Ferreira de Sá, em representação da Tapeçarias Ferreira de Sá, mecenas do evento. Mário Vitória, Isabel e Rodrigo Cabral e Sofia Areal foram os artistas convidados desta 5ª edição.
Pela primeira vez aberta a ambos os sexos, a 5ª Bienal Internacional de Arte de Espinho apresentou como novidade a colaboração com a Fundação Bienal de Cerveira, que irá acolher a exposição da Bienal de Espinho durante o ano em curso, numa parceria que com certeza será muito profícua para ambas as partes.

Pinto Moreira, presidente da autarquia considera “importante a abertura deste evento a novos artistas”, uma vez que “a bienal afirma-se com a grande vivência cultural que Espinho tem hoje e é cada vez mais uma marca da cidade para o mundo”.
O Grande Prémio Tapeçarias Ferreira de Sá foi atribuído à obra “It Was Yesterday” de Rafael Oliveira, o Prémio Bienal Internacional de Arte de Espinho a “Pedras no Sapato”, de Pedro Cunha e o Prémio Especial do Júri à obra “Abismo” de Ana Torrie. As menções honrosas foram para “Tiro – Um homem que consegue mudar” de Alexandre Coxo, “Salomé”, de Manuel Rodrigues Almeida, “Pausa na Estação de Serviço”, de Maria José Cabral, “A Serra”, de Margarida Coelho, “S/título”, de Tiago Santos, “Os Prós e os Contras das Estrias”, de Alexandra Monteiro e “Removed Reality”, de Diana Costa.
As alunas da Escola de Ballet Isabel Lourenço e o Francisco Seabra Quarteto participaram na sessão de abertura com momentos de bailado clássico e jazz, e os alunos do curso de restauração da Escola Secundária Dr. Manuel Laranjeira serviram o Porto de Honra a um público que encheu as galerias Amadeo de Souza-Cardoso.
Estas obras estarão em exibição no Museu Municipal de Espinho até 22 junho.
Imagem/Edição: Filipe Couto
Repórter: Carolina Moreira

Artigos Relacionados