Música no Castro de Ovil para a apresentação do FIME 2019

Constitui já uma marca do Festival Internacional de Música de Espinho (FIME) a apresentação da programação das suas edições em contextos onde se procura associar, de forma criativa, a valorização, a descoberta ou o destaque do património material ou imaterial da cidade de Espinho.

O FIME procura assim dar o seu contributo para a cada vez mais sentida necessidade de existência de uma visão integradora das dinâmicas culturais, da valorização cultural associada ao território e património, às tradições, aos lugares, às pessoas, procurando potenciar e motivar públicos diferenciados para a fruição cultural em geral e, evidentemente, do FIME, em especial no que à curiosidade e vivência cultural da música erudita e do jazz diz respeito.

Nesta 45.º edição, o FIME  a apresentação da sua programação foi no Castro de Ovil, um lugar arqueológico situado a cerca de 5 km do centro da cidade, no qual é possível percorrer um circuito de visita centrado num povoado da idade de Ferro (origem no século IV a.C.) e nas ruínas da antiga fábrica de papel Castelo (1836), rodeadas por uma floresta nativa.

E como não poderia deixar de ser, a música foi um dos elementos fundamentais do percurso, pelo que foi possível assistir à ilustração da extraordinária paisagem com música de Steve Reich, Vivaldi, Giovanni Gabrieli ou Monteverdi por jovens músicos da Escola Profissional de Música de Espinho (EPME).

O concerto de abertura é já dia 21 de Junho (sexta-feira).

Se ainda não conhece os espectáculos desta edição do FIME, pode encontrar as brochuras num local perto de si ou visitar o site:http://musica-espinho.com/fime/

imagem/edição: Filipe Couto

Artigos Relacionados