Squash: Primeiro torneio da era Clube de Ténis de Espinho

O Complexo de Ténis de Espinho recebeu o primeiro torneio de squash desta nova era de gestão do Clube de Ténis de Espinho. A experiência do ténis integrada no squash deixou toda a gente satisfeita. 17 jogadores inscritos fizeram deste um dos maiores torneios “pós-covid” da modalidade e que permitiu ainda a abertura de um quadro feminino.

Jogos muito competitivos, equilibrados e com a estreia das cores do Clube de Ténis de Espinho dentro do campo. Miguel Hallux é o nome do primeiro jogador de squash a vestir as cores do clube. Perdeu nas meias-finais elevando alto as cores do CTE num torneio de estreia. No jogo de disputa do 3º e 4º lugares venceu diante de Marco Prata por 11-5, 8-11, 11-5 e 11-0.

A vitória do torneio sorriu a um talento em afirmação, que representa já as cores da seleção nacional de juniores, Eduardo Rocha. O cabeça de série n.º1 da prova venceu na final Vìtor Ramos por 11-7, 10-12, 11-9 e 11-7.

No quadro feminio a vitória sorriu a Beatriz Dias que venceu os dois jogos que realizou diante de Ana Ribeiro e Mariana Ferreira sem perder qualquer jogo.

Os trofeus foram oferecidos pela Câmara Municipal de Espinho que também marcou presença por intermédio do vereador do desporto, Vicente Pinto que fez questão de cumprimentar os finalistas da prova. Durante a visita ao Complexo, Vicente Pinto aproveitou também para apreciar e valorizar a reconstrução do ginásio que está já em fase de acabamento e que se prevê possa abrir ainda durante este mês de Junho.

Nos discursos finais do evento, Miguel Rocha, o novo coordenador da modalidade no CTE afirmou que “o balanço é muito positivo e o feedaback que os jogadores passaram foi muito bom permitindo que estejamos já a pensar com um sorriso no futuro”.

Anselmo Lancha, vice-presidente do clube também aproveitou a oportunidade para agradecer aos presentes e assumir que “a aposta do clube nesta modalidade porva a nossa vontade de crescer e de recolocar o complexo no mapa dos desportos de raquete em Portugal”. O representante do clube disse ainda que “a Federação pode contar com esta casa para ajudar a fazer crescer o squash em Portugal”.

Luís Carvalho, vice-presidente da FNS foi um dos presentes desde o primeiro minuto da prova e o prórpio agradeceu a hospitalidade: “foi muito bom estar em Espinho, estamos muito contentes com esta forma simpática e profissional de acolher e estamos certos que este espaço será palco de muitos mais e maiores eventos”.