42.ª edição do CINANIMA

McDonalds_530x80_baixonoticia
O Presidente da Câmara Municipal de Espinho presidiu à sessão de Abertura do  Festival Internacional de Cinema de Animação-CINANIMA, que decorre até final da semana no Centro Multimeios.
Esta é a 42ª edição do certame co-organizado pela Cooperativa Nascente e pela Câmara Municipal de Espinho.
Pinto Moreira lamentou que um evento com esta importância no panorama cultural do país e com reconhecido prestígio no estrangeiro tenha sido este ano afetado por uma redução significativa das verbas atribuídas pelo Ministério da Cultura, através do ICA – Instituto do Cinema e do Audiovisual.
O ICA cortou 15 mil euros anuais ao Cinanima que se vê também  privado das verbas do Programa MEDIA EUROPA CRIATIVA, referiu o Presidente da Câmara de Espinho na sessão de abertura do Festival.

A cerimónia de abertura do festival teve ainda a exibição do filme “Mais um dia de vida” (Another Day of Life – 2018),  obra de Raúl de la Fuente e Damian Nenow sobre a guerra civil angolana, um filme vencedor do Prémio do Público no Festival de San Sebastian.

Esta edição do CINANIMA arrancou com 110 filmes em secções competitivas, 265 obras em sessões temáticas e um programa formativo por profissionais de renome mundial.
Depois de bater pelo 4º ano consecutivo o seu recorde de inscrições, desta vez com 1508 candidaturas oriundas de 69 países, o evento que decorre até dia 18 de novembro apresentará na competição internacional 36 filmes escolares, 44 curtas-metragens e 4 longas. Entre todas essas obras, 15 serão exibidas em estreia absoluta.
Já no que se refere à disputa nacional, o Cinanima de 2018 terá oito concorrentes ao Prémio António Gaio, que distingue o melhor filme nacional, e contará ainda com 18 candidatos ao Prémio Jovem Cineasta Português, que inclui uma categoria para realizadores até 17 anos e outra para diretores dos 18 aos 30.
As sessões temáticas, começam por apostar numa retrospetiva sobre a produção da Sérvia e numa homenagem a Nikola Majdak (1927-2013), um dos principais realizadores desse país. Darão ainda a conhecer a criação da Escola Nacional de Cinema da Irlanda, os principais filmes eslovacos dos últimos 25 anos, cinema para crianças produzido na Noruega e em Estugarda, e a animação contemporânea da Ucrânia, da Finlândia, da Polónia e da Lituânia.

Artigos Relacionados