Benjamim subiu ao palco do Centro Multimeios

Na passada sexta-feira dia 6 de Maio, a Sala António Gaio, do Centro Multimeios de Espinho, recebeu em palco, o cantor português “Benjamim”, Luís Nunes, nome de baptismo.
O escritor de canções que passou a melhor parte de quatro anos a viver em Londres voltou a Portugal no verão de 2013 para se instalar no coração do Alentejo – directamente e sem passar pela sua casa partida, Lisboa. Veio para escrever canções novas e revolucionar a sua maneira de olhar para o mundo. Instalou-se na vila de Alvito, construiu um estúdio – a sua principal ferramenta de trabalho – e começou a dar vida às canções que viriam a dar corpo ao seu novo (e agora primeiro) disco: Auto Rádio.
Benjamim voltou às raízes. Nesse regresso, organiza memórias remotas do Portugal colonial, histórias que lhe chegaram em diferido – seja pelo pai que veio de Angola no pós 74, carregado de filmes super 8, seja pelas longas histórias à mesa, com o amigo Quinito, sobre o dia em que este foi enviado para a Guiné, para lutar numa guerra que ficava demasiado longe do Alentejo. Mas Benjamim fala também de Portugal, do Porto, que lhe vem do lado mãe, da crise, do amor. Ou simplesmente de carros a acelerar pela marginal de uma qualquer cidade à beira do Atlântico – com música capaz de fazer dançar pessoas numa quase esquecida vila alentejana.
O primeiro disco da ‘vida’ de Benjamin vai buscar inspiração ao Duo Ouro Negro, à Lena d’Água, ao Chico Buarque, ao Zeca Afonso, mas também a Bob Dylan – músico que lhe encheu a juventude de sonhos de uma terra distante – aos Beatles, aos Beach Boys.
“Auto Rádio” é um disco feito para que as pessoas o consigam compreender. Pessoas que não precisem de outra língua porque lhes basta uma, a que falam todos os dias.

Reportagem Filipe Couto