CME apresentou o projeto do Estádio Municipal

McDonalds_530x80_baixonoticia

A autarquia de Espinho apresentou na passada quinta-feira, dia 4 de Outubro, no Salão Nobre, o projecto de arquitectura para o novo estádio Municipal. Pinto Moreira, Presidente da Câmara Municipal anunciou que o equipamento será uma realidade em 2020.

Principais características do Estádio:

  • 5201 lugares de capacidade
  • 4986 lugares para público
  • 105 lugares na tribuno presidencial
  • 42 camarotes
  • 32 lugares acessíveis
  • 36 lugares para imprensa escrita
  • 1 bar
  • Bilheteira e sala de administração
  • Balneários
  • Parque de estacionamento exterior

VEJA AQUI A TRANSMISSÃO EM DIRETO DA ESPINHO.TV

Para a Câmara de Espinho, assumir a construção do novo equipamento veio dar mais trabalho, mas o presidente da autarquia concorda que a mudança não está mal pensada. “Assim o estádio será sempre do Município, com o Sporting Clube de Espinho a ser o seu principal utilizador, mas não o único”, explica Pinto Moreira. “Não se podia é adiar mais o assunto! Com a apresentação do projecto arquitectónico e o lançamento do concurso público para a obra, vamos concretizar, portanto, não só o sonho do Sporting Clube de Espinho, dos seus atletas e adeptos, mas também uma ambição antiga da cidade e do concelho”.

Quando a Câmara abriu o concurso para concepção do projecto de arquitectura, a escolha recaiu sobre a proposta do gabinete local de Rui Lacerda (1954-2018) e do seu filho Diogo Lacerda. Daí já saíram edifícios para vários países, mas, só no que se refe a Espinho, a lista inclui obras como o Casino, o Auditório, a Biblioteca Municipal José Marmelo e Silva, a Escola Secundária Manuel Laranjeira e a requalificação em curso na Alameda 8, na sequência do enterramento da linha férrea em 2008. Pinto Moreira recorda que os requisitos apresentados aos arquitectos foram simples: “Queríamos um estádio que fosse moderno, confortável, adequado à dimensão e realidade do município, e com toda as condições técnicas exigidas pela Federação Portuguesa de Futebol e pela Liga Portuguesa de Futebol Profissional para acolher competições de topo”. Esteticamente, também só havia um critério a cumprir: “Que o edifício se ajustasse à envolvente, considerando que vai ficar integrado na zona verde do Parque da Cidade, ao lado na Nave Desportiva, do Complexo de Ténis e da Pousada da Juventude”.

Para o presidente da autarquia, o projecto dos Lacerda soube materializar esses objectivos e restam agora duas tarefas a cumprir: lançar até meados de Novembro o concurso público para adjudicação da respectiva empreitada e, considerando que o orçamento estimado para construção do estádio é de 2,5 milhões de euros, “montar a operação que permitirá financiar o projecto, com o apoio da Assembleia Municipal e recurso à banca”. Uma vez escolhida a empresa que executará a obra e obtido o devido visto do Tribunal de Contas, a construção do novo estádio deverá então chegar ao terreno em meados de 2019, após o que terá um prazo de execução de 18 meses. “No fim de 2020 devemos ter o estádio pronto”, avalia Pinto Moreira.

Por essa altura, a expectativa geral é de que a equipa de futebol do Sporting Clube de Espinho possa passar a ter sede no novo Estádio Municipal. Ainda não estão definidos os termos do contrato de cedência, mas, mesmo tendo em conta que a autarquia quer reservar-se o direito de dispor do edifício para outras iniciativas desportivas e culturais, há já alguns aspectos dados como certos: o novo equipamento ocupará uma área de 18.000 metros quadrados, disponibilizará entradas distintas para cada equipa, vai dispor de quatro bancadas cobertas e terá capacidade para 5.200 lugares, no que se incluem 105 na tribuna presidencial, 42 distribuídos por seis camarotes, 36 para jornalistas e 32 para cidadãos com restrições de mobilidade. No exterior, o imóvel apresentar-se-á encimado por uma grande pala, contornado por uma sucessão de pilares e complementado com um percurso pedonal deambulatório, que, com cerca de 8 metros de largura coberta, foi pensado para incentivar o usufruto da paisagem e das sensações por ela motivadas. A cor dominante será clara, pelo acizentado pálido do betão e pela cobertura metalizada esmaltada de branco.

in: Público

Fotos: Filipe Couto

Artigos Relacionados