Pensar a Escrita com Fausto Neves

Pensar a Escrita com Fausto Neves
McDonalds_530x80_baixonoticia
When:
22/11/2019 @ 21:30 – 22:30
2019-11-22T21:30:00+00:00
2019-11-22T22:30:00+00:00
No dia 22 de Novembro de 2019 (sexta-feira), pelas 21h30, na Biblioteca Municipal de Espinho “José Marmelo e Silva”, realizar-se-á o lançamento do do livro “Em torno de Lopes-Graça. Pensamento – Resistência – Criação.” de Fausto Neves, editado pela Página a Página, evento integrado no ciclo “Pensar a Escrita”.
A apresentação do livro estará a cargo do violinista e professor Manuel Pires da Rocha.

No fim da sessão será servido um Porto de Honra.

“O valor e a importância dados à Música e àqueles que dela usufruem, a luta incessante para encontrar e aplicar os melhores métodos para a sua disseminação e acessibilidade pelo grande público, a perseverança de esforços e de dádivas nesse caminho, a resistência íntegra, corajosa e feroz – sem qualquer cedência ou “tempero” – a todas as manifestações de ignorância, boçalidade, intolerância e sordidez foram aspectos do magistério espelhado pela sua vida de cidadão, compositor, maestro, crítico e ensaísta que me impressionaram e com os quais me identifiquei.”

Fausto Neves
Pianista, doutorado em Música (Performance) com a tese “Imagem Estética e Expectativa Musical na obra de Fernando Lopes-Graça”, Professor Auxiliar na Universidade de Aveiro e investigador INET-md.
Iniciando-se na Música com os seus pais, foi discípulo de Helena Costa, contactando a grande tradição pianística também com Robert Weizs e Harry Datyner e, em masterclasses, com Sequeira Costa, Moura Castro, Josef Palenicek e Jörg Demus.
Diplomado pelo Conservatório de Música do Porto, completou os seus estudos na Universidade Laval (Canadá) e no Conservatório de Música de Genève (Prémio de Virtuosidade), onde veio a leccionar, assim como no Conservatório de Sion, ambos na Suíça.
Apresentando-se em público há mais de cinco décadas, estreou-se aos catorze anos com a Orquestra Sinfónica do Porto, sob a direcção do maestro Silva Pereira. Desde então colaborou, entre outros, com os maestros Arpad Gerezs, Gunther Arglebe, Graça Moura, Álvaro Salazar, Kamen Goleminov, Fernando Eldoro, Marc Tardue, Ferreira Lobo, Philippo Zigante, Cesário Costa, António Lourenço, Pearce de Azevedo, Rui Pinheiro e Pedro Neves.
É convidado frequente das mais importantes organizações e festivais de música nacionais, tendo actuado ainda na Suíça, no Canadá, em Espanha, na França, no Luxemburgo, no Brasil e na Itália, e gravado para a RTP, RDP e TV Cultura (Brasil).
Abarcando o seu repertório todas as épocas, tem dedicado especial atenção à divulgação da Música Portuguesa – estreando obras de Eduardo Patriarca, Amílcar Vasques Dias e Cândido Lima – e divulgado autores como Ramon Barce, Charles Griffes, Frank Martin ou Karol Szymanowsky. Em 2006, celebrando o centenário de Fernando Lopes-Graça, fez a estreia absoluta de “Música Festiva nº 20”, “Música Festiva nº 23”, da versão final de “Música Fúnebre nº 8” e da integral de “Música de Piano para Crianças”, nos inúmeros concertos que realizou, exclusivamente com obras daquele compositor. Colaborou com a violoncelista Gisela Neves (CD “Alla Danza”), com o pianista Álvaro Teixeira Lopes e, integrando o quarteto de dois pianos e percussão, com o pianista Pedro Burmester e com os percussionistas Miguel Bernat e Manuel Campos, para além de numerosíssimos outros solistas com quem colaborou em Música de Câmara.
Detentor do 1º Prémio do Concurso “Cidade da Covilhã”, entre outras recompensas, é regularmente convidado a integrar júris de concursos nacionais e internacionais, assim como a reger cursos de Interpretação ou de Pedagogia pianísticas.
A sua actividade docente em Portugal (Conservatório e Escola Superior de Música do Porto, Academia e Escola Profissional de Música de Espinho, e Universidade de Aveiro) produziu já vários pianistas e professores de mérito. Integrou a equipa da Porto 2001, Capital Europeia da Cultura, criou e dirigiu o Serviço Educativo da Casa da Música. Dirige o Coro “Amigos da Música” de Espinho.
Para João de Freitas Branco, é um intérprete muito sério, com uma interioridade fina, com sentido de estilo.
Editou em Agosto de 2019 o livro “Em torno de Lopes-Graça. Pensamento – Resistência – Criação” na editora “Página a Página” com o apoio da Fundação D. Luís I e da Câmara Municipal de Cascais.

Artigos Relacionados